Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Palestina: “Em Gaza, somos notícia mas não podemos ver TV”

Ontem (6 de janeiro) uma escola da ONU no campo de refugiados Jabaliya [en], que estava sendo usado como abrigo, foi atingida por bombas israelenses e cerca de 40 pessoas foram mortas. Hoje, o exército israelense suspendeu suas operações militares [en] por três horas, para permitir que a ajuda humanitária chegue a Gaza Strip. Nesse artigo, ouvimos reações de blogueiros em Gaza.

Prof. Said Abdelwahed, que ensina inglês na Universidade de Al-Azhar, escreve no Moments of Gaza [Momentos de Gaza, en]:

Thousands of the Palestinians took refuge into UNRWA schools. 40 of those have been killed in an air attack today on that school!! It seems even the U.N flag does not have any meaning to Israel? How can it consider itself a part of the international community?!

Milhares de palestinos se refugiaram nas escolas de UNRWA. 40 deles foram mortos em um ataque aéreo hoje na escola!!! Será que nem mesmo a bandeira da ONU tem algum significado para Israel? Como é que [esse país] pode se considerar parte da comunidade internacional?

A ativista canadense Eva Bartlett, bloga no In Gaza [en] o seguinte:

If your unbelievably small and overcrowded land was being terrorized, pulverized by bombs from the world’s 4th largest military, and your borders were closed; if your house was not safe, mosque (church) not safe, school not safe, street not safe, UN refugee camp not safe…Where would you go, run, hide? Over 15,000 have been made homeless, internal refugees from Israel’s house-bombings, shelling, and shooting. Some have been housed in UN schools around Gaza. In Jabaliya today, Israeli warplanes bombed one such school. Shifa’s [hospital] director conservatively estimates 40 dead, 10s injured. It must be higher. […] The Shifa director also told me that emergency medics still cannot reach the Zaytoun house that yesterday morning was bombed with inhabitants locked inside. There are two main accounts of the story, both criminal. One: Israeli soldiers rounded up the inhabitants of the multi-story house, separated the men – 15, I was told – and shot them point blank in front of the women and children of the family, 20, I was told. Then, laid explosives around the house and bombed the rest of the extended family. Two: Israeli soldiers rounded up the inhabitants of the multi-story house, locked them in one room for a day, and bombed it the following morning. Either way, Israeli soldiers intentionally imprisoned and bombed the inhabitants of the house. And are actively preventing medics from reaching any potential survivors. The medics have tried to coordinate with the ICRC (international committee of the red cross) without success: no one can reach the house.

Se sua incrivelmente pequena e superlotada terra estivesse sendo aterrorizada, pulverizada por bombas pela do quarta maior potência militar do mundo, e suas fronteiras fossem fechadas; se sua casa não fosse segura, sua mesquita (igreja) não fosse segura, as escolas não fossem seguras, a rua não fosse segura, o acampamento de refugiados da ONO não fosse seguro… Para onde você iria, correria, se esconderia? Mais de 15 mil pessoas ficaram desabrigadas, são refugiados internos dos bombardeios das casas, disparos e tiroteios por parte de Israel. Algumas foram alojadas em escolas das Nações Unidas nos arredores de Gaza. Hoje, em Jabaliya, aviões israelenses bombardearam essa escola. O diretor [do hospital] de Shifa estima, conservadoramente, que são 40 mortos e 10 feridos. Deve ter mais. […] O diretor também me disse que as ambulâncias de emergência ainda não podem chegar a casa em Zaytoun que foi bombardeada ontem de manhã, com moradores trancados dentro. Existem duas versões principais para a história, as duas criminosas. Primeira: os soldados isrealenses renderam os moradores do prédio de vários andares, separaram os homens – 15, segundo me disseram – e atiraram neles à queima roupa na frente das mulheres e crianças da família, 20, segundo me disseram. Em seguida, lançaram explosivos ao redor da casa e bombardearam o resto da família. Segunda: os soldados isrealenses renderam os moradores do prédio de vários andares, trancaram-nos em um cômodo por um dia, e bombardearam o prédio na manhã seguinte. De qualquer modo, os soldados isrealenses aprisionaram e bombardearam deliberadamente os moradores da casa. E estão ativamente prevenindo que a ambulância socorra quaisquer sobreviventes em potencial. Os médicos tentaram coordenar com o ICRC (Comitê Internacional da Cruz Vermelha), sem sucesso: ninguém pode chegar à casa.

Philip Rizk, blogueiro egípicio-alemão que bloga no Tabula Gaza, relata uma conversa que teve com Dr Attalah Tarazi em Gaza [en]:

The numbers of death and injured reported in the media are far below reality as the media is not able to cover incidents as they unfold. I know of cases where homes were surrounded by the Israeli army and people inside gave themselves up and were shot anyway when they exited. […] We have witnessed weapons we have never seen before in our lives. Some explode in the sky and scatter bombs all over. Sporadically, I have smelt smells from some of the burns and wounds that I have never before witnessed […] May god protect us, may god have mercy on us

Os números de mortos e feridos relatados nos meios de comunicação estão muito abaixo da realidade, já que é a imprensa não é capaz de cobrir os incidentes à medida que estes se desdobram. Sei de casos em que as casas ficaram rodeadas pelo exército isrealense, as pessoas no interior se renderam e mesmo assim foram fuzilados ao saírem. […] Temos visto armas que nunca havíamos visto antes em nossas vidas. Algumas explodem no céu e espalham bombas por todos os lados. Esporadicamente, senti odores de algumas queimaduras e feridas que nunca testemunhei antes […] Que Deus nos proteja, que Deus tenha piedade de nós.

Em outra postagem, Prof. Said Abdelwahed diz [en]:

The 1:00-4:00 p.m. truce was a little bit relief to the civilians in the city. The main concern of the people was to get water from distribution centers. There were long lines of people waiting to get drinking water in plastic jugs! Tanks and artillery are still operating at the edges of Gaza city! More people evacuated their places and resorted to relatives and UNRWA schools…. but yesterday's bombing has scared everyone sleeping in the schools! Today, there were trucks of urgent food stuff and other medical aids have been allowed to be entered from Rafah into Gaza. In Gaza, we are all subject to news but we cannot see TVs. We hear about it from relatives who call us by telephones from abroad. We are still without electricity and water, plus that a great number of people are without cooking gas!

1:00-4:00 da tarde – A trégua trouxe um pouco alívio para os civis na cidade. A principal preocupação do povo foi obter água nos centros de distribuição. Havia longas filas de pessoas esperando para levar água potável em jarras de plástico! Tanques e artilharia ainda estão operando em Gaza, nas fronteiras da cidade! Mais pessoas evacuaram suas casas e recorreram a familiares e escolas da UNRWA …. mas ontem um bombardeio meteu medo em todos os que estavam dormindo nas escolas! Hoje, caminhões de urgência com alimentos e outros auxílios médicos foram autorizados a entrarem em Gaza a partir de Rafah. Em Gaza, somos notícia mas não podemos ver televisão. Ouvimos isso de parentes, que nos telefonam a partir do estrangeiro. Estamos ainda sem electricidade e água, e mais um grande número de pessoas está sem gás para cozinhar!

O fotojornalista palestino Sameh Habeeb, que bloga no Gaza Strip, The Untold Story [Faixa de Gaza, a Estória Não Contada, en], explica como ele está cobrindo os eventos:

Dear Editors, Journalists and Friends,
Some of you do wonder how I send news in such conditions. I really suffer a lot to send you this update due to lack of power. I go around 4 kilometers a day in this cruel war where I charge my laptop battery to be able to send this work! This is very risky since shells rain down and drones hover over me! I will keep this up.

Prezados editores, jornalistas e amigos,
Alguns de vocês ficam pensando como eu envio notícias sob tais condições. Eu realmente tenho muita dificuldade em lhes enviar essas atualizações, devido a falta de eletricidade. Eu ando cerca de 4 km por dia nesta guerra cruel para poder carregar a bateria de meu laptop e poder enviar meu trabalho! Isso é muito arriscado, uma vez que chovem bombas e aviões pairam sobre mim! Eu vou continuar.

Laila El-Haddad, cujo pais estão em Gaza, bloga no Raising Yousuf and Noor [Criando Youself e Noor], descreve uma conversa com o pai, ao vivo no Canadian Broadcasting:

I asked if he had gone out at all – he said my mother has not left the house in days, but that they needed some tomatoes to cook supper with. “The stores are empty-there is very little on the shelves; and the Shanti bakery had something like 300 people waiting in line.” Surprisingly, he said people are trying to go on with their lives. It is the mundane and ordinary that often save your sanity, help you live through the terror. It is no small thing to endure: knowing that both in deliberateness and scope, it is an unprecedented modern-day assault against an occupied, stateless people – most of them refugees.

Perguntei se ele tinha saído em algum momento – disse que minha mãe não sai de casa há dias, mas que precisavam de tomates para cozinhar o jantar. “As lojas estão vazias, há muito pouco nas prateleiras, e a padaria Shanti tinha cerca de 300 pessoas aguardando na fila”. Surpreendentemente, ele disse as pessoas estão tentando tocar suas vidas. É o mundano e ordinário que normalmente salvam a sanidade mental, ajudam a viver o terror. Não é pouca coisa a suportar: sabendo que, tanto deliberadamente ou por extensão, esse é um ataque sem precedentes nos tempos modernos, contra um povo apátridas, assentado – sendo a maioria refugiada.

Safa Joudeh escreve no Lamentations-Gaza [Lamentações–Gaza, en] sobre aproveitar os momentos ordinários ao máximo:

I woke up to the smell of freshly baked bread, at around noon today. I stay up most of the night and catch a few hours sleep after the sun rises. […] My mother has taken to making homemade bread the last ten days. Thanks her careful management of the small amount of cooking gas we have, and to her idea of buying a gas oven in anticipation of an Israeli invasion only days before the attacks began, she is able to bake occasionally. Furthermore, we had found a store with its doors partially open in our area a couple of days ago and were able to stock up on flour. Having lunched with my younger siblings and my parents on bread, cheese, eggs and some leftover pasta, we all went out onto the balcony, and what a beautiful sunny day it was! The iciness had dissipated somewhat with the early day sun, the few trees outside were green and luminous and birds were singing! We all stood for about half an hour, looking out through the metal railings like caged birds. We could hear an occasional explosion in the distance but that did not deter us from standing there breathing in the fresh air we so longed for.

Acordei com o cheiro de pão fresco assado, por volta do meio-dia de hoje. Fiquei acordado a noite toda e tirei um cochilo de algumas horas após o nascer do sol. […] Minha mãe começou a fazer pão caseiro nos últimos dez dias. Graças a sua cuidadosa gestão da pequena quantidade de gás de cozinha que temos, e à sua idéia de comprar um forno a gás antecipando uma invasão israelense apenas alguns dias antes dos ataques começarem, ela pode assar ocasionalmente. Além disso, encontramos uma loja com as portas parcialmente abertas na nossa região alguns dias atrás e pudemos armazenar farinha de trigo. Depois de almoçar com os meus irmãos mais novos e meus pais, comendo pão, queijo, ovos e sobras de macarrão, todos nós fomos para a varanda, e que belo dia ensolarado era! O frio tinha se dissipado um pouco com o sol do início do dia, as poucas árvores lá fora estavam verdes e luminosas e os passarinhos cantavam! Fcamos todos por cerca de meia hora, olhando para fora através da grade de metal, como pássaros em gaiolas. Podíamos ouvir uma explosão ocasional na distância, mas isso não nos deteu em ficar de pé lá, respirando o ar fresco tão almejado por nós.

RafahKid não está acreditando [en]:

what's to say? would you believe back in October we had our first Opera [music concert] in Gaza. Life is hard when you are kept prisoner your whole life even though you are acknowledged as the victim. But we try hard to live a life and we study very hard. Even to say Hamas is the cause of this is to blame the rape victim for what she was wearing.

O que dizer? Você acreditaria que em outubro passaso tivemos nosso primeiro [concerto [en]] de ópera em Gaza? A vida é difícil quando se é mantido prisioneiro por toda a sua vida mesmo que você seja reconhecido como a vítima. Mas tentamos com todas as forças viver uma vida e estudamos muito. Mesmo dizer que Hamas é a causa disso tudo é o mesmo que culpar a vítima de estupro pela roupa que ela estava usando.

Vittorio Arrigoni, um ativista italiano bloga no Guerrilla Radio:

Ho scattato alcune fotografie in bianco e nero ieri, alle carovane di carretti trascinati dai muli, carichi all'inverosimile di bambini sventolanti un drappo bianco rivolto verso il cielo, i volti pallidi, terrorizzati. Riguardano oggi quegli scatti di profughi in fuga, mi sono corsi i brividi lungo la schiena. Se potessero essere sovrapposte a quelle fotografie che testimoniano la Nakba del 1948, la catastrofe palestinese, coinciderebbero perfettamente. Nel vile immobilismo di Stati e governi che si definiscono democratici, c'è una nuova catastrofe in corso da queste parti, una nuova Nakba, una nuova pulizia etnica che sta colpendo la popolazione palestinese.

Ontem, tirei umas fotos em preto-e-branco de uma caravana de carros puxados por mulas, carregada de uma forma fora do usual com crianças sacudindo uma bandeira branca nos céus, com as faces pálidas, amendrontadas. Ao olhar hoje para essas fotos de refugiados em fuga, um arrepio pecorre minha espinha. Se pudessem ser sobrepostas às fotografias que são testemunhas do “Nakba” de 1948, a Catástrofe Palestina, elas se combinariam perfeitamente. Por causa da vil inércia dos estados e governos que intitulam-se democráticos, há uma nova catástrofe em curso, um novo Nakba, uma nova limpeza étnica atingindo a população palestina.

Em outro artigo, Eva Bartlett diz [en]:

To walk in Gaza city now is to walk through a ghost town, passing shells of buildings, rubble-filled streets, closed shops, and streets barren of life. Before Israel’s attacks across the Gaza Strip’s densely-populated civilian areas began on December 27th, Gaza was a different scene: it was stifled under a siege […] but Palestinians in Gaza still walked the streets, still frequented the parks and public spaces, still pursued education within the Strip and had weddings. On any given day, the main street, Omar Mukthar, would be crowded with taxis heading along the east-west road, kids going to and from school, shoppers, and vendors. Walking Omar Mukthar now is an eerie experience […] In the first days after the missiles hit police stations, mosques, civil administration buildings, Municipal buildings, cars, houses, iron and metal workshops, and universities across the Gaza Strip’s tiny length, people walked carefully, avoiding the bombed sites, very aware they could be re-bombed. […] But now its gotten to such a point, all over Gaza is so completely and thoroughly bombed, that the initial detours we took are pointless: there are simply too many bombed-out buildings and sites to bother avoiding the street. […] So a bombed population already besieged, with no where to run, shot and shelled when running no where, already deprived of medicines and medical care, is now on a new level of starvation, deprivation of water (70 % of people are without), and continues to be psychologically-terrorized by the air activity and bombing. Where to walk? Anywhere, it doesn’t really matter.

Caminhar em Gaza agora é como caminhar por uma cidade fantasma, passando por cascas de edifícios, ruas cheias de escombros, lojas fechadas e ruas sem vida. Antes dos ataques de Israel em áreas de alta densidade populacional civil na Faixa de Gaza começarem em 27 dezembro, Gaza tinha uma paisagem diferente: estava sufocada sob um cerco […], mas palestinos na Faixa de Gaza ainda caminhavam pelas ruas, parques e ainda frequentavam o espaços públicos, ainda iam em busca de educação na faixa e havia casamentos. A qualquer dia, a rua principal, Omar Mukthar, estaria repleta de táxis posicionados ao longo da estrada leste-oeste, crianças indo para as escolas, compradores e vendedores. Caminhar pela Omar Mukthar agora é uma misteriosa escabrosa […] Nos primeiros dias após os mísseis atingirem delegacias, mesquitas, prédios da administração pública, edifícios municipais, carros, casas, ferralherias e universidades por toda a minúscula Faixa de Gaza, as pessoas andavam com cuidado, evitando as zonas bombardeadas, bem conscientes de que elas poderiam voltar a ser bombardeadas. […] Mas agora chegou a tal ponto que toda a Gaza está tão completa e exaustivamente bombardeada, que os desvios que tomamos inicialmente são inúteis: há simplesmente demais edifícios e locais bombardeados para que a gente se preocupe em evitar determinada rua. […] Assim, uma população já sitiada, sem para onde correr, bombardeada e fuzilada ao tentar fugir para canto nenhum, já privada de medicamentos e cuidados médicos, está agora em um novo nível de fome e de privação de água (que 70% das pessoas não têm), e continua a ser psicologicamente aterrorizada pela atividade e bombardeios aéreos. Onde passear? Em qualquer canto, não faz mesmo diferença.

Fida Qishta, que bloga no Sunshine, é jornalista freelance, cineasta e ativista morando em Rafah, ao sul da Faixa de Gaza:

Humanitarian aid is still a big problem, including the lack of medicine and food. The Israeli government said that they opened the border crossings to let Palestinians travel to Egypt for medical treatment and for humanitarian aid to enter the Gaza Strip. It’s like the wolf killing the sheep and then selling its leather. Why did they shoot them if they want them to be in good health? Why didn’t they stop the air strikes before they killed and injured all these civilians? They tell the world that the food trucks enter the Gaza Strip. Do you know how many trucks? Do you know that the Gaza Strip is cut into two parts now by the Israeli army? That means that if the humanitarian aid gets through into Rafah, it will never reach Gaza City, because they cut the main road into two parts. It reminds me of the Abu Holy checkpoint which used to divide the Gaza Strip in two. My friends and I used to wait to go to our university for hours and hours. And at the end of the day we went back home, without attending any classes. Our only class was on how to wait. My mother is sitting in the door of our house counting the drones and the F16s. I think that if I asked her to count the air strikes she would do it.

A ajuda humanitária é ainda um grande problema, incluindo a falta de remédios e alimentos. O governo israelense disse que abriu as fronteiras para permitir que palestinos viajem ao Egito para tratamento médico e para a ajuda humanitária entrar na Faixa de Gaza. É como o lobo matando a ovelha e depois vendendo o couro. Por que atirar neles se eles querem que tenham boa saúde? Por que não pararam os ataques aéreos antes de matarem e ferirem todos estes civis? Eles dizem ao mundo que caminhões de alimentos entram na Faixa de Gaza. Você sabe quantos caminhões? Você sabia que a Faixa de Gaza está agora dividida em duas partes pelo exército israelense? Isso significa que o que se obtém através da ajuda humanitária em Rafah, nunca chegará à Cidade de Gaza, porque eles dividiram a estrada principal em duas partes. Isso me lembra do posto de fronteira Abu Houly [en] utilizado para dividir a Faixa de Gaza em duas. Meus amigos e eu costumávamos esperar por horas e horas para ir a nossa universidade. E no final do dia voltávamos para casa, sem assistir a nenhuma aula. Nossa lição era sobre como esperar. Minha mãe está sentada na porta de nossa casa contando as aeronaves não-tripuladas e os F16. Acho que se pedisse a ela para contar os ataques aéreos, ela o faria.

Nader Houella, que gerencia o blogue coletivo Moments of Gaza [Momentos de Gaza], escreve um artigo explicando o que as pessoas interessadas em ajudar podem fazer.

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.