Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Sem dormir e detidos na Tailândia

De acordo com estimativas iniciais, há 100.000 passageiros detidos [en] na Tailândia depois que manifestações anti-governo lideradas pelo People’s Alliance for Democracy (PAD) [en] [Aliança do Povo pela Democracia] [en] forçaram o fechamento dos dois principais aeroportos de Bangkok. Os manifestantes negaram-se a evacuar o aeroporto; exigem, primeiro, que o Primeiro Ministro da Tailândia entregue o cargo.
Os manifestantes tomaram conta de dois aeroportos essa semana: o Aeroporto de Suvarnabhumi (o novo aeroporto da Tailândia) e o Aeroporto Internacional de Don Mueang.
A indústria do turismo é a principal vítima. Esta é a alta estação e a Tailândia é um dos principais pontos de conexão na Ásia. Os planos de viagem de centenas de milhares de turistas do mundo todo foram afetados.
A maioria dos passageiros detidos não se encontra retida dentro [en] dos aeroportos; provavelmente estão hospedados em hotéis no centro de Bangkok. Muitos hotéis estão oferecendo acomodação gratuita [en] para turistas que permanecem mais tempo. Quanto aqueles permanecem dentro dos aeroportos, a situação não é boa. Andrew Wood, do Chaophya Park Hotel & Resort de Bangok, revela [en]:

Bangkok based tour operators visiting the airport since early this morning report that the hygiene situation at the airport is quickly deteriorating with limited toilets and washrooms. Food outlets also are struggling to keep up with demand with food supplies dwindling. This is likely to become critical if PAD supporters block supply routes.

“Os agentes de turismo de Bangkok que têm ido ao aeroporto desde hoje pela manhã contam que as condições de higiene no aeroporto estão se deteriorando rapidamente em virtude do número limitado de banheiros. As lanchonetes e restaurantes estão também lutando para atender a demanda, com os estoques cada vez menores. É provável que tudo isso se torne crítico se os ativistas do PAD bloquearem as rotas de fornecimento.”

Quais são as opiniões de alguns dos passageiros presos nos aeroportos, de residentes de Bangkok e de manifestantes, agora mundialmente mal vistos?

Richard Hosier [en] que esteve na Tailânida com sua família está muito furioso:

I am stuck here in Thailand with my wife and children after choosing to holiday here. We can't get home so I like to say thank you to the kind people of Thailand who try to help us and thanks to the PAD who show once again that their actions are designed to hold hostage the Kingdom of Thailand in order to achieve their un-democratic demands.

“Estou preso aqui na Tailândia com minha mulher e filhos depois de ter escolhido passar as férias aqui. Não podemos ir para casa, mas gostaria de dizer obrigada às pessoas bondosas da Tailândia que nos tentam ajudar e ao PAD que mostra, uma vez mais, que suas ações são destinadas a manter refém o reino da Tailândia a fim de alcançar suas exigências não-democráticas”

Kenny [en] não está assim tão bravo com as manifestações de protesto:

I am safe and the protests are quite localized around the airports in Bangkok. While many tourists are starting to scramble and are a bit peeved about the airport delays, most people seem more discouraged about the unseasonal rain at the beaches.

“Sinto-me seguro e as manifestações são bem localizadas ao redor dos aeroportos em Bangkok. Enquanto muitos turistas estão começando a ter que brigar pelas coisas e estão um pouco aborrecidos com as demoras, a maioria parece estar mais desencorajada é com a a chuva fora de época nas praias.”

Go East Young Woman desencoraja [en] os amigos que queiram visitar a Tailândia no momento:

It’s not so much dangerous right now as potentially dangerous, but it’s very inconvenient to be a tourist in Thailand right now. Both Bangkok airports are closed. Many people are stranded there. The PAD doesn’t seem to be taking hostages or anything like that, but a situation like that could easily turn volatile. I wouldn’t risk my safety there unless I had to. The mob keeps protesting in new areas all the time, so even if the airports are cleared and opened again, until the situation is resolved, who knows what they will decide to block next?
“No one seems to be targeting foreigners or tourists for violence, but there is still a risk of being caught in the crossfire of a violent situation between Thais if things go bad.
“Personally, I am trying to avoid public areas with a lot of people at the moment, especially government areas.

“Não é tanto que haja perigo no momento apesar de ser potencialmente perigoso, mas é que é muito inconveniente ser um turista na Tailânida neste exato momento. Ambos os aeroportos de Bangkok estão fechados. Muitas pessoas estão retidas alí. O PAD não parece estar fazendo reféns ou algo assim, mas uma situação como aquela pode facilmente se tornar explosiva. Eu não arriscaria minha segurança lá, a menos que fosse obrigada. A multidão continua a fazer manifestações em novas áreas, e mesmo que os aeroportos sejam desocupados e reabertos, até que a situação seja resolvida, quem sabe o que eles podem vir a decidir a bloquear como próximo passo?
“Ninguém parece ter como alvo de violência os estrangeiros ou turistas, mas ainda assim há um risco de ser pego no fogo cruzado de uma situação violenta entre os tailandeses se as coisas piorarem.
“Eu, pessoalmente, tento ficar longe das áreas públicas lotadas neste momento, em especial as áreas do governo”

Tuesdaynight fugirá [en] da Tailândia por trajetos alternativos:

We are currently on the island of Lanta and having a great time, all things considered. We were supposed to leave for home tonight, but Bangkok’s airport has not reopened and there are no signs it will do so for a while.
We are going to make our way to Singapore by way of Langkawi and then KL. Hopefully, we’ll he home by the 1st.

“Levando em conta a situação do momento, podemos dizer que estamos nos esbaldando na ilha de Lanta. Éramos para ter partido de volta para casa esta noite, mas o aeroporto de Bangkok não reabriu e não há sinais de que será reaberto por um tempo.
“Faremos nosso trajeto para Singapura passando por Langkawi e KL. Se tudo der certo, estaremos em casa até o dia 1º.”

Devido ao fato de que muitas companhias aéreas usam a Tailândia como local para conexões, passageiros de países vizinhos estão também retidos. Por exemplo, uma família prorrogou sua estadia em Cambódia [en] porque seus vôos haviam sido cancelados. Alguns americanos perderam as celebrações do Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos.

Brunei Lifestyle cita o caso dos peregrinos haj [en] que ficaram retidos na Tailândia:

I was touched when I read that Thai haj pilgrims are now stranded at the Bangkok’s international airport. The report said that hundreds of Thai Muslims are now spending their third nights, fourth if tonight they are still there.
The rest of the haj pilgrims have chosen to stay at the airport but they have to make it to Mecca by next week, 2 December which is the cut-off date for the haj this season. What touches me was when they said that the pilgrimage is a test of faith but the airport chaos is already the test.
Some of them have saved all their lives for this once in a lifetime pilgrimage. Many of those stranded are elderly and frail but still hoping to be able to perform the haj this year. I wish they would all be able to make it to the holy land and have a safe journey.

“Fiquei comovido quando li que os peregrinos haj da Tailândia estão agora presos no aeroporto internacional de Bangkok. O relatório dizia que centenas de muçulmanos tailandeses já estão passando sua terceira noite lá, quarta se permanecerem ainda esta noite.
“O restante dos peregrinos haj optaram por permanecer no aeroporto, mas têm que chegar a Meca até a semana que vem, 2 de dezembro que é a data limite para os haj esta estação. O que me sensibiliza foi eles terem dito que a peregrinação é um teste de fé, mas que o caos do aeroporto já é o teste.
“Alguns deles economizaram a vida toda para esta única oportunidade de peregrinação em suas vidas. Muitos daqueles que estão retidos são idosos e fisicamente frágeis, mas ainda têm esperança de que vão conseguir realizar o haj este ano. Desejo que consigam chegar a terra sagrada e fazer uma viagem segura.”

O governo da Malásia enviou aviões militares [en] para salvar seus cidadãos. O Daily Brunei Resources cancelou uma viagem de família [en] para Bangkok que aconteceria na semana que vem. Friends [en] of Ranoadidas de Brunei também não puderam viajara para a Tailândia.
Tweets

Via Twitter, Kofty [en] viu alguns passageiros que estão retidos:

Meanwhile, I get my new shirts, 5 double French cuff, 5 button down. I see a few stranded tourists on Silom, but nothing else. All quiet.

“Enquanto isso, compro minhas camisas novas, 5 de punho francês duplo, 5 de botões. Vejo uns poucos turistas retidos no Silom, mas nada mais. Tudo quieto.”

Novamente do Twitter, ChrisSanderson [en] ouviu dizer que os passageiros retidos recebiam alguma compensação:

Apparently the government is giving Bangkok stranded tourist 2000 baht a day each to help out, present ticket at airport to collect cash.

“Aparentements, o governo está dando a cada turista retido em Bagkok 2000 baht por dia como ajuda, apresente o bilhete no aeroporto para coletar o dinheiro”

Aeroporto azarento

My Thai Friend observa que o novo aeroporto encontrou problemas [en] ainda durante sua construção. Aparentementes, uma das razões citadas pelos golpitas de 2006 foi a má qualidade da construção do novo aeroporto:

There were lots of problems involving the construction, budget and Thai superstition. In fact back in September 2005 a total of 99 Buddhist monks were dispatched to the airport to help rid it of evil spirits following the “sighting” of ghosts by the construction workers.
“Problems with the runway and taxiways were discovered which eventually led to major reconstruction work. This combined with the airports inability to handle increasing traffic flow also led to the re-opening of Don Mueang for some domestic flights.

“Houve vários problemas envolvendo a construção, o orçamento e a superstição tailandesa. Na realidade, de volta em setembro de 2005 um total de 99 monges budistas foram mandados para o aeroporto para ajudar a livrá-lo de maus espíritos depois que os pedreiros tiveram “visão” de fantasmas.
“Problemas com a pista e a área de manobra foram descobertos os quais levaram, eventualmente, a trabalhos grandes de reconstrução. Isto, combinado com a incapacidade dos aeroportos de lidar com o crescente fluxo de tráfego aéreo levou à reabertura de Don Mueang para alguns vôos domésticos.”

Carta do PAD

Muito já foi escrito sobre as agruras dos passageiros retidos; mas o que dizer sobre a situação dos manifestantes que vêm ocupando os aeroportos já há vários dias. Chuck Kuhn [en] escreve:

Despite the rising tensions, during the day, the main terminal building had an air of festivity about it. Many parents brought their children, stalls have been set up selling bright yellow alliance banners, flags and rattles, and all the food is free, much of it donated by wealthy supporters among Bangkok's business community. One stall was even giving fresh clothes to those who have been there for the duration.
“People give to us because they believe in our cause,” said Pluem Rodkaew, 33, who was handing out toiletries. “We have enough food and water to stay here for months.”

“Apesar das tensões em alta, durante o dia, o prédio principal do terminal exibia um certo ar de festividade. Muitos pais trouxeram seus filhos, barraquinhas foram montadas para vender faixas amarelo-brilhante da aliança, bandeirolas e chocalhos, e toda a comida é gratuita, grande parte doada por ricos patrocinadores da comunidade de comerciantes de Bangkok. Uma barraquinha estava oferecendo até mesmo roupas novas para aqueles que estão lá desde o começo. “As pessoas fazem doações porque acreditam na causa,” disse Pluem Rodkaew, 33, enquanto distribuia material de higiene pessoal. “Temos bastante comida e água para ficar aqui por meses.”

Uma carta dos manifestantes foi distribuida para os passageiros para deixar clara a sua missão [en]. Trechos da carta:

I’d like to stress here that the PAD’s policy is to use ONLY peaceful means and we have proved our intention by using only reason for the last six months.
“The aim of the PAD is to rebuild a country based on integrity, honesty, freedom from corruption and fairness for all Thais.
“We are not being paid to be here to use violence to get our way. We are not here to support a handful of corrupt politicians serving only one man who wants to divide our country. But we are here by choice, we are here to share an ideal, we are here to realize our goal which is to rebuild our country into a better place for the 60-odd million citizens. It’s actually not a question of “winning or losing” — it’s the reality of achieving what is good and right for our country — Thailand.

“Gostaria de deixar claro que a política do PAD é o uso de meios pacíficos SOMENTE e temos provado nossa intenção ao fazer uso unicamente da razão nos últimos seis meses.
“O objetivo do PAD é reconstruir um país baseado em integridade, honestidade, eliminação da corrupção e justiça para todos os tailandeses.
Não estamos sendo pagos para ficar aqui e usar violência para conseguir implantar nossas idéias. Não estamos aqui para dar apoio a um punhado de políticos corruptos que servem a somente um homem que quer dividir nosso país. Mas estamos aqui por escolha, estamos aqui para partilhar um ideal, estamos aqui para concretizar nosso objetivos de reconstruir nosso país de forma a torná-lo um lugar melhor para os 60 e tantos milhoes de cidadãos. Não é, na verdade, uma questão de “ganhar ou perder” – é a realidade de alcançar o que é bom e certo para o nosso país – a Tailândia.”

Alexisthetiny não quer aceitar um pedido de desculpas [en] do PAD:

I don’t care that you now have a big ole sign at Suvarnabhumi Airport saying that you’re sorry for all inconvenience caused but you only want the current PM to step down. You haven’t just inconvenienced everyone, you’ve acted like absolute CHILDREN and have disrupted everyone’s plans. You’ve pretty much put a big fat dent in your country’s economy, but I’m guessing you could care less. Let’s just say, you haven’t very much in the way of global sympathy any more. Take your bloody protest somewhere else and let the rest of the world get on with their lives. I mean, seriously, NO ONE, absolutely NO ONE is amused. Apology NOT accepted.

“Não me importo que você agora tenha uma baita placa ole no Aeroporto de Suvarnabhumi que diz que você sente muito por todo o desconforto causado mas que você só deseja que o primeiro ministro atual entregue o cargo. Vocês não só tem trazido desconforto para todos, vocês têm agido totalmente como CRIANÇAS e estragado os planos de todo mundo. Vocês, pode-se dizer sem medo de errar, causaram um baita prejuízo à economia de seu país, mas posso apostar que vocês não estão nem aí. Pode-se dizer somente isso, que vocês não podem contar mais com a simpatia do mundo. Leve sua droga de manifestação para algum outro lugar e deixe o resto domundo continuar com suas vidas. Quero dizer, seriamente, NINGUÉM, absolutamente NINGUÉM está se divertindo. Pedidos de descupas NÃO aceito.”

Enquanto nos aeroportos a tensão continua, no centro de Bangkok tudo parece calmo por esses dias. Aaron Escobar [en] observa:

Oddly enough, life seems to be going on entirely as normal here in the city. The streets are calmer than usual – less traffic, less people out and about – but that’s about it. We continue to go to school and work every day, ride the BTS, and enjoy living downtown. It’s a strange feeling, knowing that something critical to the county’s future is happening just on the outskirts of the city, but having absolutely no effect on our daily life.
“I wonder when all this is going to end? Technically, I suppose I’m stranded in Bangkok, but if Bangkok is home, does that really count as stranded?

“O estranho é que a vida parece seguir um rumo absolutamente normal aqui no centro da cidade. As ruas estão mais calmas que o normal – menos trânsito, menos pessoas indo para lá e para cá – mas nada além disso. Continuamos a ir para a escola e para o trabalho todos os dias, viajar nos BTS e nos divertir com a vida no centro. É um sentimento estranho, saber que algo crítico para o futuro do país está acontecendo bem alí, na periferia da cidade, mas que não tem, absolutamente, qualquer efeito sobre nossa vida diária.
“Imagino quando tudo isso vai acabar. Tecnicamente, suponho, estou detido em Bangkok, mas se Bangkok é a minha casa, pode-se ainda dizer que se está detido?”

Urban Pilgrim acrescenta [en]:

Despite the turmoil though, life in Bangkok continues as usual. There are no yellow-clad PAD demonstrators on the streets. Nor are there groups of red-shirted pro-government demonstrators. One unaware of the crisis would not find evidence of it in daily life.

“Apesar da baderna porém, a vida em Bangkok continua como sempre. Não há manifestantes vestido de amarelo do PAD nas ruas. Nem grupos de manifestantes pró-governo vestidos de camisa vermelha. Alguém que não esteja a par da crise não encontraria qualquer sinal dela na vida cotidiana.”

Sovereign Myth conclui [en] que os objetivos do PAD irão enfraquecer a democracia na Tailândia:

Sections of the PAD leadership effectively wish to replace the imperfect but majoritarian electoral democracy currently in place with one that returns Thailand to the “semi-democracy” of the 1980s, although one reconfigured as more virtuous and wise. This is the only solution some elitist liberals and conservatives can envisage in the face of the electoral strength of the pro-Thaksin forces.

“Grupos dentro da liderança do PAD desejam, efetivamente, substituir a democracia eleitoral imperfeita, mas majoritária, no poder na atualidade, por uma que leve a Tailândia novamente para a “meia-democracia” dos anos 1980s, embora remodelada como mais virtuosa e sábia. Esta é a única solução que alguns liberais e conservadores elitistas conseguem antever face à força eleitoral das forças pró-Thaksin.”

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.