Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

R.D. do Congo: Cartunistas satirizam a política congolesa

Faz apenas um mês desde que o presidente congolês Joseph Kabila nomeou um novo Gabinete de Estado [En] em um esforço para conter as crescentes críticas sobre sua inaptidão para combater a violência rebelde no leste, e muitos blogueiros permanecem céticos sobre o futuro do país.

Muito já se escreveu sobre a precária situação do Congo (veja estes artigos escritos pela autora do GV Elia Varela Serra, que está acompanhando de perto os recentes eventos – 1, 2, 3), mas por vezes uma imagem vale mais do que mil palavras.

Alex Engwete [Fr] publicou esta charge produzida pelo Human Rights Watch [Observatório dos Direitos Humanos], que satiriza Kabila por fazer-se de surdo às vozes da sociedade civil e da oposição e o apoio tácito dos doadores estrangeiros.


Original Video- More videos at TinyPic


(Imagem por Barly Baruti)

O jornalista Cedric Kalonji [Fr] publicou estas charges políticas em seu photostream no Flickr [Fr]:

Liberté de la presse en RDC by Congo Blog.

Mustached man: “For all the information you need, go to the source”

“Homem com bigode: ‘Para qualquer informação que você precisar, vá à fonte’.”

Girl, left: “MOTHER, the government is in place, but I didn't see your name. What happened?”
Woman, right: “Ah! But they forgot Article 14 of the Constitution…”

“Garota, à esquerda: ‘MÃE, o governo está empossado, mas eu não vi o seu nome. O que aconteceu?’
Mulher, à direita: ‘Ah! Mas eles esqueceram o Artigo 14 da Constituição…’.”

(O Artigo 14 determina [En] que deve haver igualdade de gênero nas representações de todos os níveis, tanto nacional quanto o provincial ou local.)

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.