Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Georgia: Repórteres Regionais

Visite também a página de cobertura especial da Crise na Ossétia do Sul no Global Voices Online (em inglês).

O conflito entre Geórgia e Rússia [En] a respeito do território separatista da Ossétia do Sul foi acompanhado por ciber-ataques [En] a vários websites da imprensa oficial e independente da Geórgia. Mas em vez de impedir os jornalistas de utilizar a internet para cobrir a guerra, estes ataques causaram o oposto. Muitos georgianos — tanto profissionais de comunicação de massa quanto jornalistas cidadãos — criaram blogues para relatar ou comentar os conflitos.

O Editor Regional para o Cáucaso do Global Voices Online, Onnik Krikorian, falou com Shorena Ratiati, Diretora Nacional do Institute for War & Peace Reporting [Instituto de Reportagem de Guerra e Paz, em inglês], e com um editor de web, Giorgi Kupatadze, no próprio blogue onde eles cobrem o conflito Geórgia-Rússia: o Regional Reporters [Ru]:

Onnik Krikorian: When was the Regional Reporters blog set up and why?

Giorgi Kupatadze: It was set up on 8 August when most of the local Georgian web sites were hacked and breiught down. We decided to create a blog although not in the classical sense. We just posted news with no comments from our journalists participating in our projects throughout the region. We received news from from reporters in Russia, Armenia, Azerbaijan, Georgia and so on.during this period about the conflict.

As we found it later — yesterday, in fact, our blog was the 12th most popular of all the blogs hosted by WordPress.com. Page views are not very clear statistics, of course, but when we set up the blog in the afternoon, we had almost 30,000 page views in the evening and that was just for the first day. However, we had to turn comments off after many obscenities were left by the “other side,” shall we say.

OK: That's a pity because some kind of discussion in the comments section of each post would have been useful. Wouldn't it have been possible to moderate them?

GK: Yes, it's a pity, but we just didn't have the necessary human resources and time to do so. Comments were on for the first five posts before we announced the creation of the blog, but then in just five minutes there were more than 100 comments. Unfortunately, most of them needed moderation and we just don't have the resources to do that.

OK: The site was set up because of the events in South Ossetia, but why use a blogging platform?

GK: Well, we just decided that in such a situation it would be useful to have a source of news from people both inside and outside of Georgia. It was also necessary for people here, and especially in the regions where there is limited access to information.

Shorena Ratiani: IWPR has never used blogs before, but because we received so many phone calls from the beginning of the conflict it was necessary. We started with limited resources and a limited staff, but Giorgi managed to get it running and it became a huge success.

OK: Why did you choose WordPress over LiveJournal which is very popular in the former Soviet space?

GK: Mainly it was because I have more experience with WordPress and it seemed natural.

OK: Have you had much feedback from other IWPR offices about the blog?

SR: Yes, the IWPR main office [in London] are very pleased which is particularly satisfying as we weren't sure this blog would find as much success as it did.

OK: Are there plans to have posts in other languages other than Russian?

SR: This wasn't planned and it exists only as a voluntary effort.

OK: I assume you never had any experience of blogs before, but can you know see their potential as a medium for the dissemination of information.

SR: Yes, but it depends on our resources. However, while I couldn't say that blogs are popular in Georgia, now we've started on this, I've certainly become more interested in them.

GK: I'm not a very active blogger myself, but I'm an avid reader. For sure, it has huge potential. In terms of the Georgian blogs, there's more and more of them now, and I think that their number will increase.

Onnik Krikorian: Quando foi que o blogue Regional Reporters foi criado, e por quê?

Giorgi Kupatadze: Ele foi criado em 8 de agosto, quando a maioria dos websites locais da Georgia foram hackeados e derrubados. Nós decidimos criar um blogue, mas não no sentido clássico. Nós apenas publicávamos notícias sem comentários sobre o conflito, produzidas pelos jornalistas participantes em nossos projetos por toda a região. Nós recebíamos notícias de repórteres da Rússia, Armênia, Azerbaijão, Geórgia, etc…, durante este período.

Como descobrimos depois — ontem, de fato — nosso blogue era o 12º mais popular hospedado pelo WordPress.com. Page views não são estatísticas muito claras, obviamente, mas na noite do dia em que nós colocamos o blogue no ar nós já tinhamos quase 30.000 page views, e isso foi apenas o primeiro dia. Contudo, nós tivemos que desligar os comentários depois que muitas obscenidades foram deixadas pelo “outro lado”, como eu diria.

O.K.: Isso é uma pena, pois um pouco de discussão na sessão de comentários de cada post poderia ter sido útil. Não era possível então moderar os comentários?

G.K.: Sim, é uma pena, mas nós não tínhamos os recursos humanos e o tempo necessário para fazê-lo. Os comentários estavam habilitados nos primeiros cinco posts do blogue, antes de anunciarmos sua criação, mas então apenas 5 minutos depois do anúncio nós já tínhamos mais de 100 comentários. Infelizmente, a maioria deles precisava de moderação e nós simplesmente não temos os recursos para fazer isso.

O.K.: O site foi criado por conta dos eventos na Ossétia do Sul, mas por quê usar uma plataforma de blogue?

G.K.: Bem, nós apenas decidimos que na atual situação seria útil se ter uma fonte de notícias de pessoas tanto dentro quanto fora da Geórgia. Isso é também uma necessidade para as pessoas daqui, especialmente nas regiões onde o acesso às informações é limitado.

Shorena Ratiani: O Instituto de Reportagem de Guerra e Paz nunca havia usado blogues antes, mas depois de termos recebido tantas ligações desde o início do conflito, isso se tornou uma necessidade. Nós começamos com recursos limitados e uma equipe limitada, mas Giorgi conseguiu fazer com que o blogue funcionasse e se tornasse um grande sucesso.

O.K.: Por que é que vocês escolheram o WordPress em vez do LiveJournal, que é muito popular na região da antiga União Soviética?

G.K.: Principalmente porque eu tenho mais experiência com o WordPress, e a escolha me pareceu natural.

O.K.: Vocês receberam muito feedback dos outros escritórios do Instituto de Reportagem de Guerra e Paz a respeito do blogue?

S.R.: Sim, o escritório principal do Instituto de Reportagem de Guerra e Paz (em Londres) ficou muito satisfeito, e isso é muito bom pois nós não estávamos certos se este blogue iria dar certo do jeito que deu.

O.K: Existem planos para que o site tenha posts em outras línguas além do russo?

S.R.: Isso não foi planejado, e existe apenas como um esforço voluntário.

O.K.: Eu assumo que você nunca teve qualquer experiência com blogues antes, mas agora você pode ver seu potencial como uma mídia para a disseminação de informação?

S.R.: Sim, mas isso depende dos nossos recursos. Contudo, embora eu não possa dizer que blogues são populares na Geórgia, agora que eu comecei com isso, certamente me tornei mais interessada neles.

G.K.: Eu não sou um blogueiro muito ativo, mas sou um leitor ávido. Certamente, eles tem um grande potencial. Em termos de blogues georgianos, há cada vez mais deles agora, e eu acredito que este número ainda vai crescer.

O blogue Regional Reporters [Ru] está em http://www.regionalreporters.wordpress.com.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.