Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Brasil: O debate dos blogs-de-aluguel esquenta a blogosfera

A super sensível blogosfera brasileira está borbulhando depois que uma famosa marca de refrigerantes decidiu investir em blogues como principal veículo para divulgar seu último produto. Nove blogueiros proeminentes foram escolhidos a dedo e receberam um estiloso mini-refrigerador com um novo produto a ser testado – e obviamente blogado. Dentro de pouco tempo blogues e a twittorsfera estavam borbulhando animadamente com comentários sobre a estratégia de marketing inovadora, até que a notícia foi divulgada no BlueBus, outro site não menos proeminente com impressionantes 13 anos de blogosfera, que introduziu um novo termo para se referir aos blogues escolhidos: “blogs-de-aluguel”. Nem precisa dizer que esse apelido não caiu muito bem e os blogueiros rapidamente se uniram para reagir e divulgar o manifesto “Não sou Blogueiro de Aluguel”:

Blog é página pessoal, é registro de tempo, é expressão, é alguém falando o que pensa/acha/acredita para quem quiser ler. Blogueiros não têm sindicato, salário, férias, mas fazem muita, muita hora extra. Blogueiro não é jornalista nem publicitário: poder ser tudo e nada, teenager ou mãe de família, cabeleireiro ou alto executivo. Cada um tem a audiência que merece, a credibilidade que conquistou.

Para muitos blogueiros, como Prix, o pessoal do BlueBus apenas sofreu um ataque de inveja porque os nove blogueiros escolhidos eram muito mais jovens que eles, tanto em termos de idade quanto de experiência como blogueiros:

Egos cutucados ou não, quem dirige o BB deve ter pensado, “Por que eu não ganhei um presentinho desse ? estou na internet desde desde, e quem ganha são esses moleques ?” […] Tudo ficou com cara de ser inveja por parte do BlueBus pelo que esses blogs tem produzido e pelo destaque conquistado.

Rafael Ziggy, um dos bogueiros lincados pelo BlueBus como “blog-de-aluguel”, pediu esclarecimentos. Em resposta a ele, o “publisher” do site, Julio Hungria, explicou a escolha das palavras:

Rafael, a expressao nao tem sentido pejorativo. Se vc tiver uma sugestao melhor, estou aceitando. Mas em jornalismo (blog nao é um formato moderno de jornalismo?) nao aceitamos geladeiras ou quaisquer outros tipos de coisas que envolvam valor que nos comprometa com comentarios positivos sobre produtos ou pessoas. Nao desdenho com a expressao ‘blogs de aluguel’. Acho que o teu formato é legitimo. Pra mim seria uma forma normal de comunicaçao, uma midia a serviço de 1 cliente. No inicio chamavam de ‘blogs corporativos’ mas nao é isso – ‘corporativo’ supoe 1 blog de propriedade da empresa para veicular declaradamente assuntos de interesse dela (normalmente deveriam ser geridos por assessorias de imprensa)

Cardoso acha que a explicação dada pelo BlueBus foi na verdade cínica. Ele publica a foto abaixo e responde a Julio Hungria:

Primeiro, Júlio, jornalista que se preza escreve em português correto. Passe a usar acentos como gente grande. Assim você parece mais jornaleiro. Sem sentido pejorativo. Segundo, eu lamento MUITO que a sua integridade e Credibilidade seja algo tão barato que possa ser comprometida por uma geladeira USB. Gostaria de te informar que ao mesmo tempo em que há sim, blogs que se vendem por qualquer merreca e falam que gostam de Passport, os blogs sérios são feitos por gente SÉRIA e de caráter, que não precisa “fugir da tentação” para não ceder ao pecado. E mesmo que cedêssemos, não sei se a geladeira USB é o preço médio de um jornalista, mas um blogueiro custa bem mais caro.

Mudanças no ar

Sendo alguém que está do outro lado do debate, Roberto Cassano vê blogues e redes sociais como boas oportunidades para propaganda, e diz que receber produtos para avaliação é um sinal de que o blogueiro está cumprindo bem o papel social como formador de opinião. O problema está em rotular a blogosfera inteira como “blog de aluguel” ou de “varal de release” porque alguns poucos fazem uso inapropriado das oportunidades que recebem:

Mas isso só acontece porque estamos no meio de um processo, em um mercado imaturo ainda, que tem muito a crescer. As mídias geradas por usuários e as redes sociais são o fantástico e inevitável caminho da propaganda. Não fosse não teria eu mesmo migrado para uma empresa especializada nisso, e não distribuiria produtos a blogueiros (sim, eu faço isso) na esperança de que blogueiros gostem dos produtos que enviamos e resolvam falar bem deles. Ou que falem mal. Ou que não falem nada.

Michel Lent deixa suas duas contribuições para o debate dizendo que a maneira como a comunidade blogueira brasileira normalmente reage a críticas de qualquer natureza é bastante exagerada, e concordando que somos testemunhas de uma nova era:

Não se trata de uma guerra jornalistas x blogueiros. Ainda mais neste caso, onde o estopim parece ter sido o BlueBus, na minha opinião, o primeiro blog influente do Brasil. Se trata de um novo momento da comunicação onde os papéis antigos estão sendo revistos e os novos, inventados. Acho que o protesto deve ser feito sim, mas não em forma de agressão bruta e sim em forma de argumentação. Acredito que a única forma de amadurecer é através do debate.

O debate sobre “monetização” nunca cai de moda na blogosfera brasileira, que conta com opiniões tempestuosas tanto contra quanto a favor de que blogueiros façam uso de blogues para ganhar alguma grana ou até viver de escrever. No entanto, esse é um debate que merece um artigo por si só. Aguarde mais informações sobre isso em breve.

5 comentários

  • […] sabem meus motivos por ter aderido à campanha NÃO SOU BLOGUEIRO DE ALUGUEL graças ao post do GLOBAL VOICES ONLINE, que repercutiu a excelente iniciativa do FREELANDO PRO DIABO. É  por isso que creio ser tão […]

  • […] Nesses últimos dias um debate bastante caloroso se instalou na realidade blogosférica: o dos blogs-de-aluguel. Tudo começa com a Coca-Cola e sua nova bebida, o i9. Em uma ação de marketing um tanto incomum […]

  • Penso que toda inicativa voltada para a divulgação dos Blogs é bem vinda, visto que, os blogs, a meu ver serão no futruro próximo o palanque das dicussões das grandes questões que permeiam a história da humanidade no espaço /tempo, onde a argamassa do pensamento humano será problematizada de forma abusiva, intensiva, contínua, dentro de parâmetros, muitas vezes diametralmente opostos, para um mesmo foco. Entendo que essa visão de futuro é por demais oportuna, pois o filtro ideológico de cada ser humano com certeza ficará mais aprimorado e a epistemologia genética da humanidade mais enlarguecida.Porém se existe grandes marcas do capitalismo interessada em divulgar seu produto, entendo como uma ato positivo e Louvável, pois a internet deve atender a todos os segmentos da sociedade, o direito de todos de expressar suas opiniões, sugestões, comentários é tão somente a expressão da liberdade plena. Não vejo por que a resistência, pois os blogueiros serão sempre maioria, não uma maioria simples, não uma maioria aritimética, mas uma maioria atuante, combativa, atuante, mas com certeza uma maioria democrática. Assim compreendo que devemos primeiro “esparar as águas baterem para que todos nós possamos estudar as espumas”
    Luiz Domingos de Luna, Mestre de Ordem, Ordem Santa Cruz-Penitentes-forania de Aurora ceará aos 21 dias do mês de Julho,2008

  • […] Nesses últimos dias um debate bastante caloroso se instalou na realidade blogosférica: o dos blogs-de-aluguel. Tudo começa com a Coca-Cola e sua nova bebida, o i9. Em uma ação de marketing um tanto incomum […]

  • […] campanha gerou polêmica, os blogs em questão foram chamados de blogs de aluguel, apesar de dizeram que o negócio não foi previamente combinado. Assim gostaria de avisar a todos […]

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.