Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Blogueiro testemunha encalhe em massa de golfinhos

O encalhe em massa [en] de pelo menos cem golfinhos cabeça-de-melão no manguezal da baía de Antsohihy (região noroeste de Madagascar) foi noticiado na primeira semana de junho.

Harinjaka e a organização não-governamental Fanamby estavam entre os primeiros a divulgar [fr] e a publicar fotos [mg] desta catástrofe natural.

whale beaching

Os motivos do encalhe em massa ainda estavam sendo investigados enquanto a população local e o ministério tentavam resgatar alguns golfinhos sobreviventes.

whales

Algumas das hipóteses que estão sendo levadas em consideração por especialistas vão desde infecções por fungos ou por vírus ao uso de sonar de baixa freqüência por parte de expedições militares ou companhias estrangeiras de exploração de petróleo.

Fanamby é uma associação malgaxe especializada em conservação e desenvolvimento, que concentra seus esforços no desenvolvimento de iniciativas privadas e novas tecnologias.

Harinjaka, além do trabalho na Fanamby, é também co-fundador do projeto Foko-Madagáscar [en] e autor do site colaborativo de notícias “Os observadores da França 24” [en], ele respondeu a algumas perguntas sobre este triste acontecimento (a entrevista foi concedida originalmente em francês ):

P: Quando e como você ficou sabendo sobre o encalhe em massa?

Harinjaka: Fanamby foi contactada por um operador turístico que tinha visitado o espaço com turistas no dia 3 de junho. Alguns deles tiraram fotos dos golfinhos encalhados para sensibilizar outras agências sobre a urgência da situação. Os manguezais do local da ocorrência estão localizados a cerca de 600 km da capital. A acessibilidade realmente não era o problema principal, conhecimento técnico e recursos humanos foram os fatores necessários para salvar os golfinhos sobreviventes.

P: Qual é a explicação mais plausível até agora?

H: Só há hipóteses, no momento, mas além de uma doença desconhecida, um fato que foi mencionado pela maioria das pessoas na região foi que um navio da Exxon-Mobile deixou o porto de Antsohihy em 2 de junho. Em 3 de junho, 40 golfinhos foram encontrados encalhados e eu mesmo vi muitos dias depois. Novamente, tudo isso é especulação, até o momento, mas um jornal local confirmou a presença do navio.

[Segment 16 not yet translated: whales 2 ]

P: Você mencionou que as reações dos habitantes num primeiro momento foram bizarras:

H: Sim, quando a população local viu que estranhos estavam tirando fotografias da catástrofe, eles ficaram muito zangados e exigiram que os forasteiros salvassem os golfinhos. Eles provavelmente acharam que os forasteiros causaram o encalhe dos golfinhos para início de conversa.

Outra história estranha é que, quando especialistas tentaram identificar as espécies, eles não conseguiram descobrir a que espécie os animais pertenciam ao pesquisar no catálogo de espécies marinhas conhecidas em Madagáscar. Elas foram posteriormente identificadas como Peponocephala Electra ou Orca Anã [Golfinho Cabeça-de-Melão].

P: Que lições podem ser tiradas desta catástrofe?

H: A população malgaxe tem um vínculo especial com os golfinhos. Nós não caçamos ou comemos golfinhos, porque nossas tradições contam histórias de golfinhos salvando pescadores de afogamento no mar. Gostaria de fazer aqui um apelo: devemos considerar a implementação de mais recursos, a fim de permitir respostas mais rápidas às catástrofes naturais, como a presente, mas também em relação a outras ameaças à nossa biodiversidade.

(Todas as fotos são creditadas a Harinjaka)

(Observação: *Golfinhos Cabeça-de-Melão [en] são também conhecidos como baleias Peponocephala Electra ou Orca Anã. ** Relatos de outras testemunhas também foram integrados nessa entrevista)

6 comentários

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.