Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Colômbia: Laptops das FARC revelam laços com políticos e governos estrangeiros

Logo após ao ataque nos campos de guerrilha das FARC no Equador, revelou-se que laptops Toshiba foram encontrados entre as coisas deixadas por lá. O governo colombiano enviou os computadores para a INTERPOL para uma análise independente. As descobertas foram recentemente liberadas e foi diagnosticado que os laptops não tinham sido manipulados pelas autoridades colombianas. Os documentos, alguns deles vazaram para a imprensa nacional e internacional, envolvem oficiais venezuelanos e equatorianos. Em 22 de maio, o tão falado “Escândalo-Políticos-FARC” realmente começou, quando o Procurador Geral anunciou os nomes dos primeiros políticos e personalidades investigadas por seus laços com a guerrilha Marxista, baseando-se nos arquivos dos laptops.

Jaime Restrepo elogia a INTERPOL e o governo colombiano, e diz que o sigilo não foi quebrado como a oposição diz:

INTERPOL has confirmed it: the files and contents of the three laptops seized in FARC strongman Raúl Reyes’s camp were not modified, nor adultered or deleted by the Colombian authorities. This is the second blow against FARC and its allies in a little more than two months, because INTERPOL’s certification implies an independent warranty that the proofs found at the Ecuadorian camp were not contaminated. If the Colombian government had not taken the decision to ask an audit on the devices and their content, the opposition -specially the people mentioned in the Reyes dossier- would be screaming that Uribe and his “thugs” manipulated the information to start a persecution on his political opponents, for sure.

A INTERPOL confirmou: os arquivos e conteúdos encontrados nos três laptops pegos no campo do grande homem das FARC Raúl Reyes não foram modificados, nem adulterados ou apagados pelas autoridades colombianas. Este é o segundo grande golpe contra as FARC e seus alidados em um pouco mais de dois meses, porque a certificação da INTERPOL implica em uma garantia independente de que as provas encontradas no campo equatoriano não foram contaminadas. Se o governo colombiano não tivesse tomado a decisão de pedir uma auditoria nos equipamentos e seus conteúdos, a oposição – especialmente as pessoas mencionadas no dossiê de Reyes – estaria, seguramente, gritando que Uribe e sua turma manipularam as informações para começar uma perseguição a seus inimigos políticos.

Marsares alega que a coletiva de imprensa foi uma espécie de espetáculo e que o presidente colombiano Álvaro Uribe estava buscando apoio interno para que o povo ignore os escândalos envolvendo seu governo, da mesma forma que Chávez e Correa fazem em seus respectivos países:

What are [they] looking for? It is not to show the collusion of FARC with Venezuelan and Ecuadorian governments. If it were so, the evidence should be treated as such, holding back them, following the clues which can be deduced from them, until reaching the criminals, destroying all their infrastructure, giving rise to a victory they would only recover from after several years.

But it was not done that way. Since the beginning they preferred to make a fuss of it and telling, little by little, “pieces” of truths, with a clear purpose, to put [Hugo] Chávez and Rafael Correa against the ropes in order to alleviate the continental condemnation to Colombia for its violation to international law. But now, when the relations could be patched, why this new show, seeking to create a serious controversy and a political and economic catastrophe?

Domestic support, without a doubt. What a wicked way to escape from the questioning to the legitimacy of his second term.
(…)

The same way Chávez practices that within his stronghold and Correa within his, Uribe does the same thing in this frayed Colombia, seeking foreign enemies in order to armour his domestic power. Shameful show. A period on history where our peoples needed statesmen to ensure their future, was only able to give simple rulers who, as it is known, are so small as the limited horizon of their hatreds and ambitions.

O que eles estão procurando? Não é mostrar o conluio da FARC com os governos venezuelanos e equatorianos. Se fosse isso, as provas deveriam ser tratadas como tal, mantidas sob proteção, deveriam seguir suas pistas até que alcançassem os criminosos, destruindo toda sua infra-estrutura e dando chance a uma vitória da qual eles só iriam se recuperar após diversos anos.Mas não foi feito dessa forma. Desde o começo ele preferiram fazer um estardalhaço e contar, pouco a pouco, “pedaços” de verdades, com um propósito claro, o de colocar [Hugo] Chávez e Rafael Correa contra as cordas para suavizar a reprovação de todo o continente à Colômbia por sua violação a lei internacional. Mas agora, quando as relações poderiam ser reatadas, por que este novo show, buscando criar uma séria controvérsia e uma catástrofe política e econômica?Apoio interno, sem dúvida. Que jeito esperto de escapar do questionamento da legitimidade de seu segundo mandato.
(…)

Do mesmo modo que Chávez costuma fazer em sua fortaleza e Correa na sua, Uribe o faz em sua desordenada Colômbia, buscando inimigos estrangeiros para blindar seu poder interno. Um espetáculo vergonhoso. Em um período na história em que nosso povo precisava de um homem de posições fortes para garantir seu futuro, foi capaz apenas de nomear simples administradores os quais, como é sabido, são tão pequenos quanto os horizontes limitados das suas aversões e ambições.

Adam Isacson cita os nomes das personalidades, incluindo o controverso senador Piedad Córdoba, como esperado, e o consultor de desenvolvimento americano Jim Jones. Ele analisa cuidadosamente as acusações que eles podem enfrentar (eu encorajo você a ler o post inteiro), e termina seu artigo da seguinte forma:

But again, we don’t know enough. We really have no idea what is in those files, and the rumored allegations surfacing in Colombia’s press include some troubling possibilities, such as that of would-be facilitators having visited guerrilla camps where hostages were held. Those who have talked to the press so far – Borja, Córdoba, Lozano – insist that they have done nothing wrong and that they are willing to cooperate with authorities at the first opportunity. These investigations should proceed quickly, and the accused should promptly be able to confront the evidence against them.

Mas novamente, nós não sabemos o bastante. Nós realmente não temos idéia do que há naqueles arquivos e os boatos circulando na imprensa colombiana incluem algumas possibilidades comprometedoras, como a de que haveria facilitadores visitando campos de guerilha onde reféns eram mantidos. Aqueles que falaram com a imprensa até o momento – Borja, Córdoba, Lozano – insistem que não fizeram nada de errado e que estão dispostos a cooperar com as autoridades na primeira oportunidade. Estas investigações deveriam acontecer rapidamente e os acusados deveriam prontamente ser capazes de confrontar as provas apresentadas contra eles.

Ricardo Buitrago chama os membros do Congresso envolvidos de traidores [es] e compara os dois escândalos [es]:

No puede haber tampoco, presunciones o parámetros dispares, que condenen a priori la actuación de unos y justifiquen la de otros. Con la parapolitica, el país, la oposición, los medios y hasta la justicia, trazaron una rasante de medición, prejuzgamiento, juzgamiento y condena, que ahora nadie entendería, pudiera ser cambiada.

Não pode haver presunções ou padrões diferentes que condenem os atos de algumas pessoas a priori e justifiquem os atos de outras. Com a parapolítica, o país, a oposição, a mídia, e até mesmo o judiciário traçaram uma série de medidas, pré-julgamento, julgamento e condenação, que agora ninguém entenderia se fossem modificadas.

2 comentários

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.