Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Quênia de volta ao normal

É engraçado como a vida pode mudar de uma hora pra outra. Um país que estava no fundo do poço e ameaçando seguir o legado dos países fracassados da África do Estados, agora está de volta ao normal, à vida plena.

Residentes de Nairobi, que antes eram adversários e estavam preocupados com seus antecedentes étnicos, agora estão unidos para atacar o governo local com o objetivo de substituir o ministro do governo local, em função da mudança das rotas dos transportes públicos, forçando as pessoas a caminhar longas distâncias. Vendedores ambulantes e pequenos comerciantes estão agora unidos em favor da expansão do mercado e de uma iluminação adequada para poder vender no período da noite. O ódio étnico parece ter sido colocado em escanteio e agora as pessoas estão compartilhando uma agenda comum, ao perseguirem a sobrevivência econômica.

Discussões online também refletem a diversidade, blogueiros estão preocupados com a Oferta Pública Inicial (OPI) da maior e mais bem sucedida empresa de telefonia móvel da África Oriental, Safaricom. No front político, as discussões estão mais equilibradas e sóbrias, em comparação com discussões de dois meses atrás.

A venda da Safaricom serve como um grande sinal de que o governo está unido, porque antes das eleições, a oposição era contra a venda das ações. Agora, estão todos apoiando a mais ricas empresa do Quênia.

Kumekucha foi surpreendida com o fato de o líder da oposição, Raila Odinga, ter voltado atrás para apoiar a OPI, mesmo proferindo um discurso contra ela durante as campanhas:

Raila met yesterday with Finance Minister Amos Kimunya and even the finance minister who barely 4 months ago said that the Nairobi stock exchange was not a fish market in a thinly veiled personal attack targeting Hon Raila Odinga is now all of a sudden talking very respectfully about Raila. He referred to Raila and President Kibaki as
“our two leaders” in a press conference where he appeared to be in a jovial mood, yesterday.

This is hardly the time for hero worship, but it is important that Hon Raila Odinga explains to the public what has brought about this change of heart. Don’t get me wrong, I am happy about the new found unity and co-operation between these two leaders who brought Kenya to it’s worst crisis yet and to the brink of civil war. Under these circumstances peace is very desirable above anything else, and I mean anything.

……Still my final word on this issue is that whatever the price, I am sure it is worth it. Better peace and let us pay it. After all one can never compare human life (which is priceless) to anything else under the sun. Still, I just thought that Kenyans should be informed.

Raila se reuniu ontem com o ministro das Finanças, Amos Kimunya, que, há apenas 4 meses, disse que a bolsa de Nairobi não era um peixe em um mercado, em um ataque pessoal fracamente velado a Hon Raila Odinga, agora, de repente, fala muito respeitosamente sobre ele. Ele se referiu à Raila e ao Presidente Kibaki como “os dois líderes”, em uma conferência de imprensa, onde parecia estar em um ambiente jovial, ontem.

Este não é um momento de culto ao herói, mas é importante que Hon Raila Odinga explique ao público o que trouxe esta mudança no seu coração. Não me interpretem mal, estou satisfeito com a fundação da nova unidade e a cooperação entre os dois dirigentes, que deixou o Quênia em sua pior crise e à beira da guerra civil. Sob estas circunstâncias a paz é muito desejável acima qualquer outra coisa.

……Ainda assim, minha última palavra sobre esta questão é que qualquer que seja o preço, tenho a certeza de que vale a pena. Melhor ter paz e vamos pagar por isso. Afinal, nunca se pode comparar a vida humana (que é inestimável) com qualquer outra coisa sob o sol. Mesmo assim, eu acho que os quenianos devem ser informados.

Um comentário no blog Kumekucha resume o tema da política, dos negócios e da politicagem no Quênia e da relação que estes possuem com os pobres (a maioria):

Like i have stated before, politics in Kenya is about class interests. You can now see which class the MPs will work for, with all of them targeting to be multi-millionaires within 5 years. Come 2010 and the succession battle begins proper they will start opposing everything the government does…and we will be ready to applaud them as our heroes, leaders, martyrs, etc.

Tal como afirmei antes, a política no Quênia tem a ver com interesses de classe. Você pode ver agora que a classe dos deputados vai trabalhar, com o objetivo de que todos sejam multi-milionários em um prazo de 5 anos. Vem 2010 e a batalha para a sucessão começa propriamente quando eles se opõem a tudo que o governo faz… e vamos estar prontos para aplaudi-los como nossos heróis, nossos líderes, mártires etc.

Kenyanentrepreneur se pergunta se as pessoas se preocupam com a OPI:

Having said that, the LSE needs to mobilise ordinary Kenyans in the rural areas to buy shares during the IPOs and also participate in the stock exchange in general. And I mean in real rural places such as Githunguri, Bondo, Matuu, Kabartonjo, Mumias, Wajir, Mwatate, Mazeras, Lodwar etc etc etc.

Kenyans need to become more sophisticated in their investment options. They will then stop fighting each other in medieval style with bows and arrows over scraps of land.

Kenyans need to realise that they can invest in the New York Stock Exchange even though they are based in their villages.

Dito isto, a LSE precisa de mobilizar os quenianos comuns nas áreas rurais para comprar ações durante as OPIs e também participar na bolsa de valores em geral. Quero dizer em reais rurais locais, tais como
Githunguri, Bondo, Matuu, Kabartonjo, Mumias, Wajir, Mwatate, Mazeras, Lodwar etc. etc. etc.

Quenianos precisam se tornar mais sofisticados nas suas opções de investimento. Eles irão, em seguida,
deixar de lutar uns com os outros em estilo medieval, com arcos e flechas durante da disputa por terras.

Quenianos precisam perceber que podem investir na bolsa de Nova York, mesmo vivendo em suas aldeias.

Businessinfocus questiona sobre temas morais e éticos por trás da oferta, perguntando se as ações deveriam ter sido emitidas no final do ano:

…..hence the aura of urgency he brought in the matter citing a wide range of fiscal and monetary commitments that would not be met if Safaricom was not sold. These have since come to naught many months after the December sale failed to materialise. Mr Kimunya’s silence over these commitments while he speeds on with the sale is informed by the reality on the ground. He can no longer tell Kenyans for certain that programmes or projects will fail to materialize this financial year if Safaricom is not immediately sold because he knows that
Treasury cannot have the proceeds in its coffers any time before July when the new fiscal year begins.

…Then there is the moral question of the authority of what is basically a transition government under which Mr Kimunya is serving as Finance minister to undertake such an important exercise only a few days before a new government is formed. Indications that President Kibaki may form a new government before the end of this week after Parliament passes the necessary Bills only leave the grim prospect that the minister’s action is driven by personal and sectarian interests.

… Por isso a aura de urgência que ele trouxe para o assunto, citando uma vasta gama de compromissos fiscais e monetários que não seriam cumpridos se Safaricom não fosse vendida. Estes não deram em nada muitos meses após a venda não ter se concretizado depois de dezembro. O silêncio do senhor Kimunya em relação a estes compromissos enquanto ele acelera a venda é informado pela realidade crua. Ele já não pode dizer com segurança aos quenianos se determinados programas ou projetos vão acontecer este ano se a Safaricom não for imediatamente vendida, porque ele sabe que o Tesouro não pode obter os lucros em seus cofres antes de julho, quando começa o novo ano fiscal.

…Depois, há a questão moral da autoridade do que é basicamente um governo de transição sob o qual o senhor deputado Kimunya está servindo como ministro das Finanças para levar a cabo um exercício tão importante
apenas alguns dias antes de um novo governo ser constituído. Indicações de que o presidente Kibaki pode formar um novo governo antes do final desta semana após a aprovação dos projetos necessários pelo Parlamento, deixa-nos a triste perspectiva de que a da ação do ministro é orientada por interesses pessoais e sectários.

Para um prévia da ameaçadora crise dos ambulantes e dos transportes públicos, Tengeza fez um upload do Googlemaps, mostrando a caótica cena que demonstra o mau planejamento das infra-estruturas públicas do Quênia .

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.