Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Quênia: Não duvide do poder da internet na África

Será que a tecnologia, em especial a mídia-cidadã, desempenhou um papel positivo na cobertura da crise no Quênia? Eis o que White African escreveu sobre o papel da tecnologia durante a crise:

If anyone doubts the power of the internet in Africa, they need to look no further than what is happening in Kenya right now…As of yesterday there was a media blackout. The only way to get any up-to-date news for the past 24-48 hours has been through the blogosphere (like Kenyan Pundit, Thinker’s Room, Mentalacrobatics), Skype and Kenyan populated forums (like Mashada). The traditional media has been shut out and shut down for all intents and purposes.

Se alguém tem dúvidas quanto ao poder da internet na África, basta verificar o que está acontecendo neste momento no Quênia… Desde ontem acontece um apagão na mídia. A única maneira de obter qualquer notícia atualizada, nas últimas 24-48 horas, tem sido através da blogosfera (como no Kenyan Pundit, Thinker's Room, Mentalacrobatics), Skype e fóruns quenianos (como Mashada). Os meios tradicionais têm sido excluídos e fechados para todos os efeitos.

Se você visitar os agregadores de blogs quenianos, KenyaUnlimited e Mashada, você verá claramente o que White África está dizendo. Segue-se uma ronda nas conversações, informações e notícias dos blogues de jornalistas-cidadão quenianos sobre essa lamentável crise política e social.

O blogueiro Panda Shuka descreve a situação:

People are being burnt alive. Homes are being torched in daylight. Shops are closed. TV and Radio have been in a blackout. Kisumu City has been shut down by KPLC, no one can access Electricity. Tomatoes are going for 20/= a single one in my estate. Eggs are 15/= for a single one. Buses are charging 100/= for my usual 20/= journey. My brother and sister have moved away from our upcountry home because they are scared. Mum and dad are staying with policemen in the house. My friends are asking for airtime in kakamega and Kisumu. 9 people were slaughtered near my upcountry home…. and their cows taken! Women are being raped. Children have no food. What the hell is going on?

As pessoas estão sendo queimadas vivas. Casas estão sendo incendiadas à luz do dia. Lojas estão fechadas. A TV e o rádio estão calados. A cidade de Kisumu foi fechada pelo KPLC, ninguém tem electricidade. O preço dos tomates chega a 20 /cada no meu estado. Os ovos chegam a 15 por um só. Os ônibus estão cobrando 100 para uma viagem que costumava me custar 20. Meu irmão e irmã se mudaram para nossa casa no interior porque eles estão com medo. Minha mãe e meu pai estão com a polícia dentro de casa. Meus amigos estão dando um tempo em kakamega e Kisumu. 9 pessoas foram mortas perto da minha casa no interior…. E suas vacas foram roubadas! As mulheres estão sendo violentadas. As crianças não têm comida.
O que diabos está acontecendo?

As últimas do Kenyan Pundit:

Not much to report as yet.

- The president has called a meeting of all MPs at State House at 3:00 pm

- For those who are asking about a military intervention or the Karamajong militia in Eldoret – I have been unable to confirm those stories.

Não há muito o que relatar ainda.

- O presidente convocou uma reunião com todos os deputados na Assembléia às 15h

- Para aqueles que estão perguntando sobre uma intervenção militar ou a milícia Karamajong em Eldoret – Eu não consegui confirmar essas histórias.

De acordo com Kenyan Pundit, a vida dele está sob ameaça:

I do have it from reliable sources within the diplomatic community that Kivuitu’s life was threatened leaving him with no choice. There are also claims that Kibaki is under siege by his cronies and has no control over the situation.

- Been watching footage of the situation in Eldoret and keep wondering where the police, military are? You can’t get access to city mortuary because there are like 60 guys guarding it, but vigilantes have set up 30 roadblocks on the Eldoret road – what the hell is going on?

Eu ouvi de fontes fidedignas dentro da comunidade diplomática que a vida de Kivuitu foi ameaçada, deixando-o sem escolha. Há também alegações de que Kibaki está sob o cerco de seus amigos e não tem controle sobre a situação.
– Tenho visto cenas da situação em Eldoret e fico me perguntando: onde a polícia e os militares estão? Você não pode ter acesso ao mortuário da cidade porque 60 caras estão fazendo a guarda, mas vigilantes criaram 30 bloqueios na estrada de Eldoret – o que diabos está acontecendo?

O Red Cross Kenya pede doações:

- How to help? Red Cross Kenya is asking for donations of food, blankets, and blood.

- Como ajudar? O Red Cross Kenya está arrecadando donativos de alimentos, cobertores e sangue.

O presidente da Comissão Eleitoral do Quênia, Samuel Kivuitu, admitiu ter anunciado os resultados sob pressão:

Kivuitu admits to acting under pressure. The story was apparently up on the Standard website, but is no longer available there (haven’t verified this) [edit – article available on the standard here, and on Youtube here]. Just in case, save the text somewhere. How was he compromised? Why couldn’t he have resigned? Why didn’t he just let them collect the certificate by force? When he was cracking jokes at the swearing in ceremony he certainly did not look like he was surprised or acting under duress. This sounds like some serious backsliding of a man with a guilty conscience to me – he did not, for whatever reason, anticipate the magnitude of his actions or he was paid to throw this thing…who the hell knows, but this change of heart will not absolve him from the fact that he (along with other so-called leaders) abdicated his duties and has the blood of thousands of innocent Kenyans on his hands.

Kivuitu admite ter agido sob pressão. A notícia foi aparentemente publicada no site do Standard, mas não está mais disponível lá (não confirmei isso) [artigo disponível no Standard aqui, e no Youtube aqui]. Para garantir, salve o texto em algum lugar. Como ele aceitou? Por que ele não pôde pedir demissão? Por que ele não apenas deixou que eles recolhessem o certificado a força? Quando ele estava contando piadas durante a cerimônia de posse, ele certamente não parecia estar surpreso ou agindo sob coação. Isso me soa como um recuo grave por parte de um homem com uma consciência pesada – ele não tinha, por qualquer motivo, antecipado a magnitude de suas ações ou foi pago para soltar isso… quem vai saber, mas essa mudança de opinião não irá absolvê-lo do fato de que ele (juntamente com outros ditos líderes) abdicou de suas funções e derramou o sangue de milhares de inocentes quenianos em suas mãos.

O conflito, que foi inicialmente descrito como Kikuyu x Luo se transformou em algo diferente:

For now it is critical to get the word out about the situation in Eldoret and Burnt Forest. This is in the aftermath of the church burning. Reports of armed men going into the forest coming through from various sources. The conflict is more than just Kikuyu-Luo – has – widened into something that I don’t even know how to describe.

No momento, é fundamental espalhar notícia sobre a situação em Eldoret e Burnt Forest. É o rescaldo da Igreja queimando. Relatos de homens armados entrando na floresta vêm através de várias fontes. O conflito é mais do que apenas Kikuyu contra Luo – ele se ampliou em algo que eu nem sei ainda como descrever.

Relatos desoladores dos leitores do Kenyan Pundit:

From a KP reader:

“Approximately 40-50K people are holded up at the compounds of ST. PATRICKS CATHOLIC CHURCH and ARNESENS HIGH SCHOOLl, both in Burnt Forest. There is no running water, food and ELECTRICITY has been cut. THIS MEANS THAT PEOPLE CANNOT RECHARGE THIER CELL PHONES and soon we’ll not be able to contact them. Also, due to the chaos/anarchy in these compounds, means that people, especially women are not any safer than if they were out in the chaos. There has been reports of rapes and molestations. I’ve also heard that the Eldoret highway has been closed by thugs an d that there is no transportion, hence people cannot leave this area. My family in that area feels very helpless and we can only ask that we spread the world and try and get some security in the area.”

Other (unverified) news from KP readers:

- Military set to take over tomorrow.

- Forced circumcisions in Buru Buru area. About 20 so far. 5 people have bled to death as a result.

De um leitor do KP:

“Aproximadamente 40-50 mil pessoas estão cercadas na IGREJA CATÓLICA ST. PATRICKS e ESCOLA SECUNDÁRIA ARNESENS, ambas em Burnt Forest. Não há água corrente, comida e a ELETRICIDADE foi cortada. ISSO QUER DIZER QUE AS PESSOAS NÃO PODEM RECARREGAR SEUS TELEFONES CELULARES e em breve não teremos como entrar em contato com elas. Além disso, devido ao caos/anarquia nesses cercados, isso significa que as pessoas, especialmente as mulheres, não estão seguras se saírem no caos. Houve relatos de violentações e estupros. Eu também ouvi falar que a rodovia Eldoret foi fechada por marginais, e que não há transporte, por isso as pessoas não podem deixar a área. Minha família no local se sente muito impotente e só podemos pedir que a notícia se espalhe pelo mundo e tentar obter alguma segurança na região”.

Outras (sem confirmação) notícias de leitores do KP:
– Militares prontos para assumir amanhã.

- Circuncisões forçadas na área de Buru Buru. Cerca de 20 até agora. Como consequência, cinco pessoas sangraram até a morte.

Bom trabalho, Al Jazeera:

I really really have to commend Al Jazeera for their coverage of this situation. I hope someone picks this up as a story about alternative media and coverage of Africa, and a story about Al Jazeera is redefining GLOBAL coverage. They are millions of steps ahead of CNN and BBC with less resources. From a good source, I hear that they are posting stories directly to Youtube so please check there for new stories as well.

Eu tenho que elogiar Al Jazeera pela sua cobertura desta situação. Espero que alguém escolha isso como notícia sobre mídia alternativa e cobertura da África, bem como uma reportagem sobre como a Al Jazeera está redefinindo a cobertura GLOBAL. São milhões de passos à frente da CNN e da BBC, com menos recursos. De uma boa fonte, ouço dizer que eles estão postando notícias diretamente no Youtube, portanto vá lá para ver novas notícias.

Gathara escreve, Quem se importa?:

Q: What happens when an unstoppable demagogue meets with an immovable election thief?

A: Kenyans die!

P: O que acontece quando um demagogo que não pára se encontra com um ladrão de eleição que não arreda o pé?

R: Os quenianos morrem!

“Kibaki não sobreviverá”, escreve Joseph Karoki:

It can truly be said that Kibaki and his clique of powerful, rich friends never anticipated the events that would unfold in the country as a result of their cumbersome 3rd grade rigging and subsequent swearing in at State House as if they were swearing in a house Prefect at Karagoyo Secondary School. No foreign dignitaries, in the cover of darkness, no independent news media and a Chief Justice ready to initiate a ceremony without the results.

It has become clear to the world that this poorly orchestrated exercise was inevitable, a desperate act by a desperate man jostling to cling to a Presidency taken away by the people.

Kibaki will not survive this.

Podemos realmente dizer que Kibaki e seu leque de amigos poderosos e ricos nunca anteciparam os acontecimentos que se desdobrariam no país como resultado do seu armamento pesado de 3º grau e posterior à posse no palácio presidencial, como se tivessem fazendo a posse de um diretor na Escola Secundária de Karagoyo. Nenhum dignitário estrangeiro, na calada da noite, nenhuma imprensa independente e um Chefe Justiça pronto para iniciar uma cerimônia sem os resultados.

Ficou claro para o mundo que este mal orquestrado exercício foi inevitável, um ato desesperado de um homem desesperado se acotovelando para agarrar a presidência tirada pelo povo. Kibaki não sobreviverá.

Seria o início de uma guerrilha no Quênia? Há relatos não confirmados de que combatentes guerrilheiros do Karamojong chegaram a Eldoret para se juntarem à luta contra o regime de Kibaki:

GRACE EMAILED THIS TO ME**UNVERIFIED** BUT SOUNDS AUTHENTIC

This is a VERY important piece of information below. I think we now now what the two C-130’s that landed at Eldoret airport were carrying. There were carrying Karamajong.. the ones who are herding the 70,000 people into Burnt Forest and doing all the killing. Please see below….. A contingent of Karamojong guerrilla fighters are reported to have arrived in Eldoret town to join the struggle against Kibaki dictatorship. They are reported to have crossed Moi’s bridge to join forces fighting in the region. It is not yet clear how the guerrillas arrived in Eldoret but a source on the ground has told KSB that their arrival could signal the beginning of a guerrilla war-fare in Kenya to counter attacks by armed GSU forces which have been killing people. “People are getting frustrated and beginning to understand that on a long term, the anti-Kibaki war will not be fought with bare hands when security forces are armed”, said the source. “Security forces also need to begin dying and this will not happen with bare hands”, the source said. The guerrillas are reported to be remnants of the Shifta militia which were fighting the regime of former dictator Daniel arap Moi during the eighties.

GRACE ME MANDOU ISSO POR E-MAIL ** NÃO CONFIRMADO** MAS PARECE VERDADE

A informações a seguir é muito importante. Acho que agora sabemos o que os dois C-130 que aterrisaram no aeroporto de Eldoret estavam transportando. Se tratava de Karamajong [Nota da Trdução: Karamojong or Karimojong é um grupo étnico de pastores que vivem no norte da Uganda]… Os que estão pastoreiando 70.000 pessoas em Burnt Forest e fazendo todo o abate. Por favor, veja abaixo… Relata-se que um contingente de guerrilheiros Karamojong chegou na cidade de Eldoret para aderir à luta contra a ditadura de Kibaki. Segundo relatos, eles atravessaram a ponte Moi para unir forças aos combates na região. Ainda não ficou claro como os guerrilheiros chegaram a Eldoret, mas uma fonte disse ao KSB que a chegada deles poderia ser um sinal do início de uma guerra civil no Quênia, para combater ataques por parte das forças armadas do GSU, que têm matado pessoas. “As pessoas estão se frustrando e começando a perceber que, a longo prazo, a guerra anti-Kibaki não será travada no punho apenas enquanto as forças de segurança estão armadas”, disse a fonte. “As forças de segurança também precisam começar a morrer, e isso não irá acontecer com mãos vazias”, continua a fonte. Relata-se que os guerrilheiros são remanescentes da mílicia Shifta, que lutou contra o regime do ex-ditador Daniel arap Moi durante os anos oitenta.

Andrius Kulikauskas do WorkNets deixou um comentário em uma de nossas postagens sobre um projeto no qual eles estão trabalhando para ajudar o Quênia. Eles abriram um grupo no Yahoo!:

Our online laboratory, Minciu Sodas, has many participants in Kenya and so we are organizing small projects to help http://groups.yahoo.com/group/onereachinganother/message/94 We’re also getting some reports and are working to provide more. Please let us know what would be useful and how we might work together. We’ll be engaging refugees and travellers in Kampala, Uganda and likely Arusha, Tanzania and Dar es Salaam, Tanzania and be able to report that. We’re also considering translating short texts into Kiswahili about nonviolent action and overcoming ethnic strife. Please join us at http://groups.yahoo.com/group/onereachinganother/ send a blank message to onereachinganother-subscribe@yahoogroups.com

Nosso laboratório online, Minciu Sodas, tem muitos participantes no Quênia e por isso estamos organizando pequenos projetos para ajudar (http://groups.yahoo.com/group/onereachinganother/message/94). Também estamos recebendo algumas notícias e estamos trabalhando para fornecer mais. Informe-nos sobre o que poderia ser útil e como poderemos trabalhar em conjunto. Envolveremos refugiados e viajantes em Kampala, Uganda e provavelmente na Arusha, Tanzânia e Dar-es-Salaam, Tanzânia e para sermos capazes de fazer reportagens. Estamos considerando também traduzir textos curtos em Kiswahili sobre ações pacíficas e superação de disputas étnicas. Queira se juntar a nós no http://groups.yahoo.com/group/onereachinganother/ envie uma mensagem em branco para onereachinganother-subscribe@yahoogroups.com

Lovely Money pergunta, Quem salvará o Quênia?:

“From what?” I hear you ask.

The burning of women and children in a church in Eldoret makes it hard for anyone to ignore the going-ons in Kenya in the aftermath of the just concluded general elections.

For centuries communities in Kenya have lived in harmony, albeit with a few skirmishes. Side by side we have built our nation into one of the most admirable and looked upon country in Africa

So what went wrong? What exactly is our problem? Why are Kenyans turning on each other. Neighbor upon neighbor. Our friends have turned into foes

Reading online comments and blog posts about the on-going election violence just shows how fragmented we are as a nation.

What has happened in the last few days cannot be wished away. I'm not sure how long it will take the nation to heal itself from the wounds of tribal bigotry.

“De quê?” Eu ouço você perguntar.

A queima de mulheres e crianças, em uma igreja em Eldoret, torna difícil para qualquer pessoa ignorar os acontecimentos no Quênia, no rescaldo das eleições gerais recém encerradas.

Durante séculos, comunidades no Quênia viveram em harmonia, embora com alguns conflitos. Lado a lado, nós transformamos nossa nação em um dos mais admiráveis e respeitados países da África

Então, o que deu errado? Qual é exatamente o nosso problema? Por que os quenianos estão se virando uns contra os outros? Vizinho contra vizinho. Nossos amigos transformaram-se em inimigos

Ler comentários e postagens online sobre a violência eleitoral em curso apenas mostra o quão fragmentados somos como nação.

O que aconteceu nos últimos dias não pode ser esquecido. Não sei quanto tempo vai demorar para a nação curar-se dos ferimentos do fanatismo tribal.

A solução para a crise está nas mãos dos próprios quenianos:

While everyone is looking up to the international community to resolve the impasse, I believe it is only Kenyans who can bring the situation to an end. The US and the EU governments will not put to an end the tribal animosity that we are witnessing in Kenya.

Only Kenyans will save themselves from other Kenyans. The outcome of the presidential elections will not matter after we have annihilated our compatriots.

Enquanto todo mundo está esperando que a comunidade internacional resolva o impasse, creio que são só os quenianos que poderão colocar um fim na situação. Os EUA e os governos da UE não irão pôr um fim na animosidade tribal que estamos presenciando no Quênia.

Apenas quenianos irão salvar-se de outros quenianos. O resultado das eleições presidenciais não importará depois de termos aniquilado nossos compatriotas.

Afromusing escreve sobre a situação em Eldoret, onde as pessoas têm procurado refúgio em igrejas e delegacias:

- hi everyone, in Eldy, lots oaof tension though it has eased as it is daylight now, some people sought refuge in churches and police station last night and are still there this a.m saw some people carrying their belongings, will upload pics shortly if i can.

Yesterday, saw a mob of youth >300 crossing through farms, walking in a single file line. They later walked back after a few hrs.

Later in Kapsoya there were screams and people milling around.

-Just received an SMS from Safaricom that reads

“The ministry if Internal security urges you to please desist from sending or forwarding any SMS that may cause public unrest. This may lead to your prosecution”

-Continued media ban on live broadcasts

-Houses were burned in the last two days, things seem calmer now, though in Langas, people are still fighting and supposedly even more killed last night. Talked to a guy who lives there, says the leaders need to come there, one rep of the following languages: Luhya, Kalenjin, Kikuyu, put up a white flag and appeal for peace. “Radio appeals do nothing to calm that particular part of Eldoret”. In addition people’s heads are supposedly lying about and it is terrible.

- Olá a todos, muita tensão em Eldy, embora a situação tenha melhorado agora na luz do dia, algumas pessoas procuraram refúgio em igrejas e delegacias de polícia na noite passada e ainda estão lá, nesta manhã vi algumas pessoas carregando seus pertences, vou postar as fotos em breve se puder.

Ontem, vi uma multidão de jovens, mais de 300 atravessando fazendas, a pé, em uma fila única. Mais tarde, eles voltaram andando, depois de algumas horas.

Mais tarde, em Kapsoya, houve gritos e pessoas prá lá e prá cá.

- Acabei de receber uma mensagem de texto do Safaricom, que diz:

“O ministério de segurança interna pede que você desista de enviar ou encaminhar quaisquer mensagens de texto que possam causar agitação pública. Isto pode levar à um processo contra você”

- Continua a proibição de transmissões ao vivo por parte da imprensa

- Casas foram queimadas nos últimos dois dias, as coisas parecem tranquilas agora, embora em Langas as pessoas ainda estejam lutando e acredita-se que ainda mais mortes aconteceram na noite passada. Falei com um cara que vive lá, ele disse que os dirigentes precisam chegar lá com um representante dos idiomas Luhya, Kalenjin, kikuyu, carregando uma bandeira branca e apelando para a paz. “Os apelos no rádio não fazem nada para acalmar aquela parte em particular de Eldoret”. Além disso, cabeças decaptadas estão supostamente expostas em toda parte, o que é terrível.

Odeg bloga sobre o rosto humano das estatísticas:

• so it seems clear that Raila got some 4.25 million votes to Kibakis 3.76 million. those are statistics. the reality is that Raila got 4.24 something million and my vote! but Kenyans don't seem to agree on any numbers. even in eldoret some say 200 pple were burnt , others say 30 while some 50. in kisumu,the armed police, whom pple say are from uganda have shot dead more than 40 people. still stats. in mombasa 8 people were burnt to death in their houses. stats stats stats.

but yesterday, i was able to put a face or faces to the stories. i met real people whom had been affected by the violence occasioned by Kibaki's robbery of the otherwise peaceful election. the story was grim. these guys were dragged out of their houses in the dead of the night. they were told to choose to either join the ‘revolution’ or face death.

• Assim parece claro que Raila conseguiu uns 4,25 milhões de votos e Kibakis 3,76 milhões. Essas são as estatísticas. A verdade é que Raila obteve 4,24 milhões e pouco mais o meu voto! Mas os quenianos parecem não concordar com número nenhum. Mesmo em Eldoret, dizem que 200 pessoas foram queimadas, uns dizem 30, outros dizem cerca de 50. Em kisumu, policiais armados, que as pessoas dizem ser da uganda, mataram a tiros mais de 40 pessoas. Ainda estatísticas. Em mombasa 8 pessoas foram queimadas até morte em suas casas. Estatísticas, estatísticas, estatísticas.

Mas ontem, eu era pude pôr um rostou ou rostos nas notícias. Eu conheci pessoas de verdade que foram afetadas pela violência ocasionada pelo roubo feito por Kibaki em uma eleição que seria de outra forma pacífica. A história é triste. Essa gente foi arrastada para fora de suas casas na calada da noite. Eles foram obrigadas a optar por aderir à “revolução” ou enfrentar a morte.

Pontes em várias partes do Quênia foram destruídas, segundo relata outro blogueiro:

…another friend called me from lugari, she said the bridges in the area had been blown and so she could not get to eldoret from her village. the village is one of the most cosmopolitan in the country since its a settlement scheme. she said her neighbours, friends and even relatives whose IDs showed them belonging to either Kikuyu, Kisii or bukusu communities were asked to leave and go to central kenya. their houses were then burnt indiscriminately. in that area, the protestors are mainly kalenjin and pokots who as opposed to luos , have AK-47s and in kisumu another very long time friend of mine escaped death by the breadth of a hair when a live bullet landed just a few inches from her feat . she had missed the bullet when she fell out of fear. and you wont believe where that was; at the gate of St. Theresa's cathedral church in Kibuye. the poor lady had gone to church. yesterday morning on new year she found several bodies right in front of her gate.

…Outra amiga me ligou de lugari, dizendo que pontes na área foram explodidas e por isso ela não poderia ir de sua aldeia até Eldoret. Essa aldeia é uma das mais cosmopolitas do país, já que é parte de um esquema de assentamento. Disse ela que seus vizinhos, amigos e até familiares cujas identidades mostram que eles pertencem a comunidades kikuyu, Kisii ou bukusu foram convidados a se retirar e ir ao Quênia Central. Suas casas foram queimadas, em seguida, indiscriminadamente. Nessa área, os protestantes são principalmente kalenjin e pokots que, ao contrário dos luos, possuem AK-47s. Em kisumu, outra amiga minha de longa data escapou da morte por um fio quando uma bala perdida pousou a poucos centímetros de seus pés. A bala não a atingiu porque ela caiu no chão de medo. E você não vai acreditar onde foi isso; no portão da Catedral de St. Theresa, uma igreja de Kibuye. A pobre senhora tinha ido à igreja. Ontem, manhã de Ano Novo, ela encontrou vários corpos bem na frente do seu portão.

Jesse Masai relata brigas pesadas em Uasin Gishu e Trans Nzoia:

• Heavy fighting in Uasin Gishu and parts of Trans Nzoia

- Aunt and family have been missing 3 days

- Information blackout terrifying. Media friend says hands tied by government

- In Kiptoy, Mitoni Mbili, etc, in Cherangany, people locked in their houses overnight, some reportedly burning. No security presence.

- Psalm 29:10 – The LORD sitteth upon the flood; yea, the LORD sitteth king for ever.

• Combates pesados em Uasin Gishu e em partes da Trans Nzoia

- Tia e família estão sumidas há 3 dias

- A mídia calada é aterrorizante. Um amigo da imprensa diz que estão de mãos atadas pelo governo

- Em Kiptoy, Mitoni Mbili, etc, em Cherangany, pessoas são trancadas em suas casas durante a noite, dizem que algumas em chamas. Não há segurança presente.

- Salmo 29:10 – O SENHOR está entronizado sobre o dilúvio; o Senhor se assenta como rei, perpetuamente.

O Exército Queniano precisa salvar o país, observa Mimmiz:

The Army needs to come out with a mission to save Kenya from anarchy. I understand there are concerns about a divided army. I don't think this would come up unless their orders were anything but to enforce a curfew and apprehend anyone walking around armed with machetes or any such thing. I strongly believe that just their presence should knock some sense into many deliriously angry people out in the streets causing chaos. Kenya's army can very easily handle this situation.

O Exército tem de vir com uma missão para salvar o Quênia da anarquia. Entendo que há preocupações acerca de um exército dividido. Não creio que isso ocorreria a menos que as ordens fossem outras além de cumprir um toque de recolher obrigatório e apreender qualquer um andando armado com facões ou qualquer coisa do tipo. Tenho firme convicção de que só a sua presença deva dar algum sentido a muita gente irritada em delírios causando o caos nas ruas. O Exército do Quênia pode muito facilmente lidar com essa situação.

Ela apóia o apagão da imprensa:

As for the media blackout, I support it and I may be the only one. The one thing that country doesn't need right now is the media advertizing where crowds of violence are gathered so that other small crowds know where to merge and escalate issues. If you have relatives in any potential danger, this may make sense to you.

In the future, Kenya must educate the masses. About peace. And about how to evaluate issues and options and how to fight effectively without being the ultimate loser (mind wars vs bloody ones). Africa tells the same story over and over again. In the mid 1990s, the wealthy Rwandese were in Kenya and other viable African countries, their children in school with some of us. Many of the wealthy got away even in that situation. We claim we are fighting for the poor, but what happens is we cleanse ourselves of them and pick up with the same issues where we left off.

Quanto ao apagão na imprensa, dou o meu apoio, e pode ser que eu seja a única. A única coisa que o país não precisa agora é da imprensa noticiando onde as multidões da violência estão se agrupando, para que outras pequenas multidões venham a saber e se juntar a elas, e aumentar os problemas. Se você tem parentes em situação de perigo em potencial, isso vai fazer sentido para você.

No futuro, o Quênia deve educar as massas. Sobre a paz. E sobre a forma de avaliar problemas e opções, e o modo de lutar eficazmente sem ser o grande perdedor (veja guerras x derramamento de sangue). A África narra sempre a mesma história. Em meados da década de 90, os Ruandese ricos estavam no Quênia e em outros países africanos viáveis, os seus filhos nas escolas com alguns de nós. Muitos dos ricos escaparam até mesmo nessa situação. Nós dizemos que estamos lutando pelos pobres, mas o que acontece é que a gente se livra deles e pega os mesmos problemas onde os deixamos.

Ela pede que blogueiros escrevam com responsabilidade:

We the bloggers? Many who have become the source of information need to become very responsible with our posts. It would be foolish to think that an already incited population is not picking on what we're saying and that we're not helping to fuel emotions. Hopefully, we can all (perhaps with the exception of one Gerald Baraza) promote peace and helpfully suggest how that may be achieved.

Nós os blogueiros? Muitos que se tornaram fonte de informação precisam tornar-se muito responsáveis com as nossas postagens. Seria ingenuidade pensar que uma população já instigada não está pegando o que estamos dizendo e que não estamos ajudando a alimentar emoções. Espero que todos nós possamos (talvez com excepção de Gerald Baraza) promover a paz e prestativamente sugerir como ela pode ser alcançada.

Se lembra de novembro de 1982?:

30 hours after I send a frantic SMS: “Are you ok?” Finally, a phone call.

The line is unclear, my family sound as though they are underwater. Suddenly, the idea of being “drowned” in violence sounds more than metaphorical.

My mother asks, “Do you remember 1982?” It’s one of the few sentences I can understand. I want to tell her no. Or, that I was too young to understand. But memories consist of more than facts. I remember 1982 as dark and uncertain—as a threat that hangs over all my political imaginings. To be national, I learned, was to live without certainty. 1982 always infantilizes me.

I answer, “a little bit.”

But, there is something different to this call. Once, in the midst of other clashes, when I was still away, I wondered if she’d leave the country, move somewhere safer. Stubbornly, she replied that she could not leave a country for which her father had fought and been imprisoned.

Now, she tells me she is considering leaving, will know more in a few days. More than anything, this scares me. It terrifies me, a lot.

30 horas após eu ter enviado uma frenética mensagem de texto: “Você está bem?”, finalmente, um telefonema.

A linha não está limpa, a minha família soa como se estivesse submersa. De repente, a idéia de estarem “afogados” na violência soa mais que metafóricas.

Minha mãe pergunta: “Lembra de 1982?” É uma das poucas frases que posso compreender. Gostaria de lhe dizer que não. Ou então, que eu era muito jovem para entender. Mas as memórias são compostas de mais do que fatos. Lembro-me de 1982 sendo tão escuro e incerto – como uma ameaça que paira sobre toda a minha imaginação política. Ser nacionalista, como aprendi, era viver sem certezas. 1982 sempre me traz infantilismo.

Respondo, “um pouco”.

Mas há algo de diferente nesse telefonema. Uma vez, no meio de outros confrontos, quando eu ainda estava fora, perguntei se ela desejaria deixar o país, ir para algum lugar mais seguro. De teimosia, ela respondeu que ela não poderia deixar o país pelo o qual o seu pai tinha sido preso e lutado.

Agora, ela diz que anda pensando em ir embora, saberá mais em poucos dias. Mais do que qualquer coisa, isso me deixa com medo. Isso me aterroriza, e muito.

A Ministra da Justiça e Assuntos Constitucionais clama por uma solução jurídica para o problema, mas um juís queniano vê o problema tanto como legal quando político:

I have just watched Hon Martha Karua, the Minister for Justice and Constitutional Affairs give a press conference. The fact that she is close to HE Mwai Kibaki seems to give an indication of what the GoK position is. First, she is irked by the fact that some Commissioners could express doubt on the results as certified by the ECK. Secondly, she is very clear that any dispute regarding election results should be resolved by the court and the courts alone.

In view of what I have stated previously, she is wrong to think that the solution to the current problem is only legal. The problem is both legal and political. It is about legality and legitimacy. Its about justice. The EU and Commonwealth Observers have cast doubt on the election outcome. Some ECK Commissioners have also cast doubt on the whole process. In court, there is always a winner and a lose. The current situation needs no winner and losers and the court may be the institution least able to resolve the impasse if left to its own devices.

Acabo de assistir Hon Martha Karua, Ministra da Justiça e Assuntos Constitucionais, dando uma coletiva de imprensa. O fato de que ela ser próxima a HE Mwai Kibaki parece dar uma indicação de qual é a posição do governo do Quênia. Em primeiro lugar, ela fica irritada com o fato de que alguns comissários possam vir a manifestar dúvidas sobre os resultados certificados pelo ECK. Em segundo lugar, ela deixou muito claro que qualquer litígio relativo aos resultados eleitorais deverá ser resolvidos pelos tribunais, e apenas pelos tribunais.

Em vista do que afirmei anteriormente, ela está errada em pensar que a solução para o problema atual é apenas legal. O problema é tanto jurídico quanto político. Trata-se de legalidade e legitimidade. Trata-se de justiça. Os observadores da UE e da Commonwealth têm dúvidas sobre o resultado eleitoral. Alguns comissários do ECK também lançaram dúvidas quanto o processo inteiro. No tribunal, há sempre um vencedor e um perdedor. A situação atual não requer vencedores e perdedores e o tribunal pode ser a instituição menos capaz de resolver o impasse, se deixado por conta própria.

[Nota da tradução: A Commonwealth of Nations é o nome em inglês de uma associação de territórios autônomos, ex-colônias dependentes do Reino Unido, criada em 1931 e formada atualmente por 53 nações]

De acordo com Kumekucha, a cerimônia de posse foi organizada antes que os resultados fossem conhecidos:

One of the things the first blundering Kibaki administration will always be remembered for is incompetence. This clearly came out in the just concluded general election because the administration failed to even rig the general election competently without getting caught and left behind too much evidence forensic and otherwise.

It is now emerging that the swearing in ceremony was conducted minutes after the election “results” were read. Meaning that it had been organized well in advance and guests invited and seated, even before the general election results were known. There are even disturbing suggestions that it may have been done before the results were announced! Those suggesting this point to the swearing in footage which was done outdoors in relatively broad daylight and yet the results were read late in the day as it was getting dark. In 2002 the swearing in ceremony was done a day after the results were officially announced but this time there was a big hurry.

Uma das coisas pelas quais a primeira descuidada administração de Kibaki será sempre lembrada é a incompetência. Isso ficou muito claro nas recém encerradas eleições gerais, uma vez que a administração não conseguiu sequer fraudar as eleições com competência, sem ser flagrada, e deixou para trás provas forenses demais.

E agora sai a notícia de que a cerimônia de posse foi conduzida minutos após os “resultados” das eleições serem lidos. O que significa que ela havia sido organizado com a devida antecedência e os convidados conclamados e sentados, mesmo antes dos resultados da eleição geral serem conhecidos. Existem ainda sugestões preocupantes de que ela pode ter acontecido antes mesmo dos resultados serem anunciados! Aqueles sugerindo este ponto alegam que as filmagens da posse foram feitas relativamente ao ar livre, em pleno dia e, no entanto, os resultados foram lidos naquele fim de tarde, quando já estava ficando escuro. Em 2002, a cerimônia de posse foi feita um dia após os resultados serem oficialmente anunciados, mas desta vez houve uma grande pressa.

Mais notícias do Thinker’s Room:

• More about the burnt church in Eldoret. There are conflicting stories as to the number of people that were inside. Numbers are ranging from 50 to 250

• There is looming fuel shortage in most petrol stations in Nairobi

• The unrest in Kenya is affecting Uganda as well. (Uganda, being landlocked, gets a lot of its supplies from Kenya). Fuel stations in Uganda are running out of fuel.

• Goods are being held at the port at the request of buyers for fear that they will be looted/destroyed en route.

• Samuel Kivuitu, ECK chairman has made some interesting comments on TV

1. He was under intense pressure to make the announcement

2. He contemplated resignation but felt that he would be perceived as a coward

3. He claimed that the ECK had no legal standing to act on the objections of the political parties (Which I don’t buy, especially the discrepancy between results announced at constituency level and those at the KICC)

4. He made an even more fascinating statement about presidency being very challenging, and then proceeding to say that the problem was some of the people around the presidency. He culminated by saying that some of the people around the presidency should never have been born

• Mais sobre a igreja queimada em Eldoret. Há notícias conflitantes quanto ao número de pessoas que estavam dentro dela. Os números variam de 50 a 250

• Existe uma ameaçadora escassez de combustível na maioria dos postos de gasolina de Nairobi

• A agitação no Quênia está afetando a Uganda também. (Uganda, não tendo acesso ao mar, recebe uma grande quantidade de suprimentos via Quênia). Postos de combustível em Uganda estão com o combustível se esgotando.

• As mercadorias estão sendo mantidas no porto, a pedido dos compradores, por receio de que elas seriam saqueadas/destruídas no caminho.

• Samuel Kivuitu, presidente do ECK teceu alguns comentários interessantes na TV

1. Ele estava sob grande pressão ao fazer o anúncio

2. Ele pensou em pedir demissão, mas sentiu que seria tido como covarde

3. Ele alegou que o ECK não tinha legitimidade jurídica para agir sobre as objeções dos partidos políticos (o que não acredito, em especial com a discrepância entre os resultados anunciados a nível de circunscrição e de KICC)

4. Ele fez uma afirmação ainda mais fascinante sobre a presidência sendo muito provocativa e, em seguida, prosseguiu dizendo que o problema era algumas das pessoas em torno da presidência. Ele terminou por dizer que algumas das pessoas em torno da presidência nunca deveriam ter nascido

Mental Acrobatics está trabalhando em iniciativas para salvar o país:

Apologies for silence today, I have been running around trying to keep tabs on the various initiatives to save our country. I will put up some posts in the next few hours.

Desculpe-me pelo silêncio hoje, ando correndo para tentar manter os olhos nas várias iniciativas para salvar nosso país. Vou colocar algumas postagens nas próximas horas.

Você pode ver fotos extremamente chocantes no blogue de Joseph Karoki.

Por fim, se você está no Quênia, pode mandar suas notícias em mensagens ao Mashada:

If you’re in Kenya and have news on the elections, you likely have no voice or no way to tell the world. Spread the word to SMS your news to the Mashada forums via their SMS hotline.

Send your SMS to +44 762 480 2635

Se você estiver no Quênia e tiver notícias sobre as eleições, você provavelmente não têm voz nem maneira de dizer ao mundo. Espalhe suas notícias via SMS nos fóruns do Mashada via a linha direta de SMS.

Envie a sua mensagem de SMS para +44762480 2635

[Todos os links levam a sites em inglês]

(Texto original de Ndesanjo Macha)

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.