Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Bangladesh: O cliclone Sidr e o que veio depois

Sidr [en] é um ciclone de categoria 4 (pior do que o Katrina [pt]) que atingiu o seu ponto mais alto devastando a costa sudeste de Bangladesh com ventos de 240 quilômetros por hora, por volta das 17h30de quinta-feira até o começo de sexta. O cliclone perdeu força e é agora uma tempestade tropical cruzando o país e chegando ao nordeste da Índia.

Centenas de milhares de pessoas foram evacuadas graças aos sistemas de alerta antecipados em uso (usando campanhas em megafone, boletins de rádio, etc), os aeroportos e portos suspenderam as operações. Quando o furacão chegou, fornecedores de comunicações e eletricidade foram paralisados ao redor do país. A maior parte as áreas costais ficou virtualmente em blecaute durante a noite. A capital, Dhaka, teve o fornecimento energia e comunicações cortados à medida que a chuva alagava algumas ruas e os ventos mandavam outdoors aos ares. Prédios e telhados foram sacudidos por ventos fortes durante a noite, e até a manhã seguinte, energia e água também tinham sido cortadas. E essas notícias foram atualizadas pelo site local de notícias online 24 horas BDNEWS24.com [en].

A blogosfera de Bangladesh estava de olho no furacão usando muitas imagens via satélite e sites de rastreamento de código livre. The 3rd World View e E-Bangladesh estavam publicando notícias dos preparativos e destino do furacão à medida que elas surgiam.

The Uncultured Project escreve [en] um testemunho ocular de Dhaka, Bangladesh:

“It felt like something out of a movie. I was in a car on the way home – it was fifteen minutes to midnight. There wasn’t a soul on the street and the only sounds you could hear were the rain beating down on the streets, the noise of the wind, and the car’s engine. It was pitch black too – every home, apartment, and building as far as the eye could see had no electricity. Then – all of a sudden – a blinding bright light and a roar erupts right next to the car – just outside of my side of the car. My window then gets showered in glowing sparks.

I wasn’t in any danger – it was just a transformer exploding. But, for the first time in this whole time in Bangladesh – I was scared…

“Pareceu coisa de filme. Eu estava num carro a caminho de casa – faltavam quinze minutos para a meia-noite. Não tinha uma alma viva nas ruas e os únicos barulhos que eu conseguia ouvir era da chuva castigando as ruas, o som do vento, o motor do carro. Tava um breu também – cada casa, apartamento, prédio, até onde meu olhar alcançava estavam sem eletricidade. Então – de repente – uma luz forte de cegar e um estrondo acontecem ao lado do carro – bem do lado de fora do carro. Minha janela então levou chuveiradas de fagulhas brilhantes.

Eu não estava em perigo – foi só a explosão de um transformador. Mas, pela primeira vez em todo esse tempo em Bangladesh – eu tive medo…

Toufiq [en] escreve de Chittagong, Bangladesh [bn]:

01:29 AM Bangladesh Time (+6 GMT). Electricity just went. Its raining heavily outside. Gusty winds are also present. I am still awake to face unknown danger. Does anybody know when the cyclone will be past Chittagong or is it really in Chittagong?

01h29 Horário de Bangladesh (+6 GMT). Acabou de faltar energia. Chove forte lá fora. Ventos tempestuosos também se fazem presentes. Ainda estou acordado para enfrentar o perigo desconhecido. Alguém sabe quando o ciclone vai ter passado de Chittagong ou se está de fato em Chittagong?

Tanvir atualiza os fatos [bn]:

03:00 AM Bangladesh Time (+6 GMT): The Storm is crossing Barishal and still a category 3 hurricane. It will scale down to category one in 12 hours.

03h00 Horário de Bangladesh (+6 GMT): A tempestade está cruzando o Barishal e ainda é um furacão de categoria 3. Ele vai baixar para categoria 1 em 12 horas.

Há 37 anos, o Ciclone Bhola [en] assolou Bangladesh (então leste do Paquistão), sendo o mais mortal ciclone tropical registrado de todos os tempos, e um dos mais mortais desastres naturais dos tempos modernos. Estima-se que o número de mortos tenha ficado entre 300.000 to a 500.000 por causa de uma tempestade que causou elevação das águas delta e com quase nenhum sistema de alarme antecipado.

Depois do ciclone de 1991 que deixou mais de 140.000 mortos, James Walsh da revista TIME escreveu [en]:

“Um mundo acostumado com catástrofes em escala humanas — quedas de aviões, vamos dizer, que matam uma centena no máximo — não pode absorver maldições bíblicas que visitam Bangladesh. Das tempestades mais mortais do século 20, sete devoraram suas vítimas na Bahia de Bengala”.

Entretanto as conseqüências do Sidr mostram sinais de devastação mas não tanta perda de vidas. The 3rd world view tem as últimas notícias [en]:

- Pelo menos 250 pessoas morreram.

- Centenas de barcos pesqueiros pegos no ciclone ainda não retornaram à costa. Oficiais do Crescente Vermelho disseram que pelo menos três vilarejos foram devastados pela tempestade. Buscas e resgates foram iniciadas por cidadão, exército, polícia e o número de vítimas deve subir.

Razib do Gene Expressions pergunta [en] se o baixo índice de perda de vidas é um sinal de progresso?

I repeat this litany to offer optimistic note: things are getting better! Bangladesh is a depressing kleptocracy, but it muddles along, and the arrow of progress is in a positive direction.

Eu repito essa oração para oferecer uma observação otimista: as coisas estão melhorando! Bangladesh é uma cleptocracia deprimente, mas vai levando, e a seta do progresso aponta uma direção positiva.

Concluindo esse relatório, eis uma citação [en] do The 3rd world view:

Facing the challenge of this mega cyclone Sidr and keeping the figures under couple of hundreds in a populous land (of 140 million) is truly a sign of progress if one should compare. Its true because of lack of resources we cannot expect Bangladesh to be more perfect in disaster management but this proves Bangladesh is on the right path and more awareness and experience are needed to tackle the changing climates and the wraths of the nature.

Enfrentar o desafio desse mega ciclone Sidr e manter os números na casa de duas centenas em uma terra com essa densidade (de 140 milhões) é um claro sinal de progresso se forem feitas comparações. É verdade que devido à falta de recursos não podemos esperar que Bangladesh seja mais perfeito em gerenciamento de desastres, mas isso mostra que Bangladesh está no caminho certo e que mais conscientização e experiência são necessárias para lidar com mudanças climáticas e com a fúria da natureza.

(Texto original de Rezwan)

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.