Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Brasil: Moralidade, homofobia, ética ou hipocrisia?

Depois de uma popular temporada ao redor do país, tudo estava pronto para a noite de estréia da exposição Heróis, de Luiz Garrido, em Brasília. Dessa vez, as 24 fotos em preto e branco de brasileiros famosos seriam exibidas no Salão Negro da Câmara de Deputados, como parte do festival FOTO ARTE 2007, o maior evento fotográfico do país.

Heróis traz, dentre outros, retratos do Presidente Lula, deputado Fernando Gabeira, sociólogo Betinho, o mundialmente famoso arquiteto Oscar Niemeyer e a atriz transexual Rogéria, um ícone dos direitos GLS no Brasil. Foi aí que o problema começou: alguns membros da câmara consideraram o retrato dela, uma foto conceitual dela semi-nua vestindo apenas camiseta social, gravata, meias e tênis, uma ofensa às crianças e não apropriada para uma mostra aberta ao público.

Depois de muita discussão entre curadores e anfitriões, a foto foi escondida atrás de um biombo para a noite de abertura. Uma nota colocada ao lado dele pelos curadores deixava os visitantes informados sobre o motivo: “Por determinação da Câmera de Deputados, essa cabine acolhe a foto de Rogéria cuja exibição aberta ao público não foi permitida”. Claro que isso só colocou mais lenha na fogueira e resultou na decisão por parte da Câmara de Deputados em cancelar a exposição da noite para o dia, retirando as fotos das paredes sem consultar os curadores, a organização do evento ou o fotógrafo.


Pictures by Jorge Diehl

Os blogueiros rapidamente começaram a repercutir a notícia e tornaram a foto polêmica mais pública que nunca. A maoria a publicou, independente de argumentar contra ou a favor à decisão da Câmera, e os comentários passam pelos temas da censura, homofobia, moralidade dos políticos e hipocrisia da sociedade.

Rogéria

 

O controverso “nu frontal” de Rogéria, atriz, por Luiz Garrido

Mesquita acha a decisão é um pouquinho contraditória [pt]:

Parece até que não estamos no país do carnaval, das bundas e dos peitos. Fica a impressão, que a bancada evangélica na Câmara formou fileira junto aos parlamentares homófobos, na, aprentemente nada sutil, exteriorização de preconceito contra os homossexuais ou, pela arcaica e medieval vergonha ante a nudez – aliás, no caso, nem tão explícita assim.


Hebert de Souza, sociólogo, por Luiz Garrido

afinsophia acha que a posição da Câmara foi além da homofobia [pt]:

Com a censura a Câmara deixou vazar seu ranço homofóbico: o olhar alucinado. O pecado para a fenomenologia é não conseguir abstrair objeto, o senso comum da percepção visual, o olhar embotado, cristalizado.

Rachel Dionizio lembra quando a revista Playboy em que saiu a amante de um senador [pt] circulando na Câmara:

Argumento: isso atingiria os bons constumes da família brasileira. ..”e a putaria que rola naquela casa com aqueles senhores eleitos por nós…não atinge não ??? e os comentários que rolaram naquela casa sobre a nudez de uma certa jornalista…até deputado na internet vendo as fotos rolou…e ai ?? “

Darcy Ribeiro
Darcy Ribeiro, antropologista, por Luiz Garrido

Gilson, do defenestrado, deixa um recado para os políticos do país [pt]:

Senhores deputados, afronta a moral e aos bons costumes da família brasileira é a péssima educação nas escolas, o atendimento desumanos nos hospitais públicos, o salário miserável do brasileiro, a falta de segurança em qualquer lugar do território nacional, a perpetuação da CPMF e todo o dinheiro que Vossas Excelências roubam de projetos e obras que deveriam beneficiar a população. Pensem nisso.

Lula
Lula, atual presidente do Brasil, por Luiz Garrido

Tales Faria também publica a foto polêmica, mas ele acha que os congressistas podem ter uma ponta de razão [pt]:

Agora me diga: você acha que em algum Congresso do mundo iam deixar essa foto exposta?

Também do lado do congresso, Luiz Eduardo acredita [pt] que a censura veio na hora certa:

O fotógrafo Garrido insiste que a foto foi vetada por causa do homossexualismo de Rogéria. Não é o caso. O Congresso Nacional é diariamente visitado por crianças em excursões escolares. Não se pode mostrar tudo. Imagens eróticas não devem ser exibidas mesmo.

Collor
Fernando Collor, ex-presidente de Brasil, por Luiz Garrido

Tocando nesse mesmo assunto, aqui vem uma pergunta [pt] de Isabela, do Punctum, um blogue sobre fotografia:

Uma questão: como se pode argumentar a favor da criança e do adolescente, afirmando que a dita foto fere seus Direitos, se é justamente nesta Casa em que um futuro decente para o país – e dessas mesmas crianças – é completamente fulminado????

João Prado encontra uma outra explicação para a censura [pt]:

Aí vai uma teoria conspiratória (faz parte): será que não é essa a intenção dos deputados, de desviar a atenção de todos para assuntos menos importantes? ou será que não tem nada mais importante mesmo? Tipo crianças brasileiras em situação de tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório, constrangedor…

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro, atriz, por Luiz Garrido

Márcio Pascoal coloca o ponto final na discussão [pt]:

E Rogéria e os protetores da moral nacional precisam saber que se a turma de Brasília inventar de sair censurando o que pode nos envergonhar e às criancinhas, não sobrará pedra sobre pedra na capital. Toda a corja para trás do biombo, já.

Fotos gentilmente cedidas pela FOTO ARTE 2007.

(texto original de Paula Góes)

 

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

6 comentários

  • […] penso na Rogéria censurada no Congresso. Ao lado do Collor. Sobre o Collor posando de celebridade ninguém disse nada. Mas a Rogéria […]

  • Só para atualizar, a exposição volta a Brasília de 20 de novembro até 4 de dezembro no Espaço Cultural Contemporâneo (ECCO). A reabertura da exposição contará com a presença de Rogéria – e possivelmente de muitos parlamentares.

  • Vinnie

    E foi o País do Carnaval… quanta hipocrisia… só imagino de as criancinhas sabem o que aquele homem sorridente q se chama Collor fez…

  • Da Brazilian Gangsta

    Tenho nojo dessas pessoas que se castram porque não aceitam a condição fisiológica com a qual nascem.

  • […] do mundo todo, e que apresentam versões diversas para os assuntos do cotidiano. A Global Voices já citou, por exemplo, um artigo deste bloguinho, quando tratou do episódio da nudez censurada da atriz […]

  • Bezorrão

    Bom! Homofobia é nada mais que é: um termo utilizado para identificar o ódio, a aversão ou a discriminação de uma pessoa contra homossexuais e, consequentemente, contra a homossexualidade, e que pode incluir formas sutis, silenciosas e insidiosas de preconceito e discriminação contra homossexuais.Sabido disso vamos lá! Atrás da escolha sexual ou não, há um ” ser humano” que pensa, senti, odeia e ama. Há! Tem família também! Partindo daí possamos ver que a hipocrisia existi e é mais comum que imaginamos. Os políticos são hipócritas e de uma classe que tá nojo para população. É certo disso que o Tíririca foi eleito com o maior voto do Brasil. Mas sou contra que a classe dos Gays, lésbicas e simpatizantes ultrapassem a ética, moral e a privacidade dos outros. Não é com falta disso que irão conquistar um lugar ao sol. Com coerência e bom-senso podemos viver com harmonia e respeito, pois Deus não liga se somos gays, lésbicas ou heteros! Deus só quer que vivenciamos a união, a paz e o mais importante dos sentimentos… O amor.

    Obrigado!
    Bezorrão – Goiânia – Go.

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.