Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Guatemala: Os desafios para o próximo presidente

indigenas guatemala

No domingo, segundo turno das eleições na Guatemala, espera-se que Álvaro Colom Caballeros seja o vencedor até o presente momento, de acordo com os resultados do TSE. Tráfico ilegal de drogas, corrupção extrema e crimes organizados são apenas alguns temas que o novo presidente da Guatemala enfrentará.

De acordo com o blogueiro The Black Box [ES], o próximo presidente terá uma tarefa difícil pela frente:

Además de combatir la pobreza y la inseguridad, el Presidente electo deberá lidiar con un Congreso sumamente fragmentado. Su partido, la UNE, sólo cuenta con 51 diputados de un total de 158. Es decir, el 32 por ciento de la Asamblea Legislativa.

Além de combater a pobreza e a falta de segurança, o presidente eleito deverá lidar com um congresso extremamente fragmentado. Seu partido, a UNE, só conta com 51 deputados de um total de 158. Isto significa 32% da Assembléia Legislativa.

Além dos votos que dividem as áreas urbanas e rurais, a Guatemala é um país em transição com cicatrizes do passado e um lento desenvolvimento. Sempre existe a utopia de um futuro melhor, mesmo em um país com problemas complexos e blogueiros expressam esperança.
A vitória de Colom foi uma surpresa para muitas pessoas, como afirma Buried Mirror blog:

Alvaro Colom, in something of an upset, apparently has defeated Otto Pérez Molina in the race for president of Guatemala. Colom had lost his one-time lead and was trailing in most polls. Colom took most departments, although Perez appears to have won Guatemala City, thanks to his anti-crime message. Turn-out was low.

Álvaro Colom, de forma agonizante, aparentemente derrotou Otto Pérez Molina na corrida à presidência da Guatemala. Colom tinha perdido sua única liderança e estava arrastando na maioria das votações. Ele venceu na maioria dos colégios eleitorais, embora Perez parece ter ganho na capital, Cidade da Guatemala, graças à sua campanha no combate ao crime. A porcentagem de votos válidos foi baixa.

O dia das eleições foi calmo, frio e ventoso. Havia um grande número de guatemaltecos que permaneceram em casa longe da votação, e o presidente eleito ganhou principalmente nas áreas rurais, mas não na capital. Aqui, eu compilei todas as questões e reivindicações e necessidades que os blogueiros da Guatemala gostaria que o novo presidente soubesse:

A mensagem do blog CIEN [ES] estimula as pessoas a respeitarem os resultados das eleições, ele diz:
Cuestionar la legitimidad de quien resulte vencedor o la limpieza de las elecciones en anda ayuda a la estabilidad política del país. Además que, probablemente, no estemos preparados para ese tipo de escenario dado el desgaste institucional que ha sufrido recientemente el TSE. Dado que no se puede descartar un escenario en donde la diferencia entre uno y otro candidato sea mínima, corresponde a los candidatos y sus partidos mostrar la madurez y responsabilidad que el caso amerita.

Questionar a legitimidade de quem vence ou a transparência das eleições contribui para a estabilidade política do país. Além disso, não estamos preparados para esse tipo de cenário por conta do desgaste institucional que o TSE vem sofrendo recentemente. Dado que não se pode ignorar um cenário onde a diferença entre os dois candidatos seja mínima, cabe aos candidatos e aos seus partidos mostrar a maturidade e a responsabilidade que o caso merece.

O blogueiro Homo Homini Lupus [ES] quer saber se o próximo presidente negociará com os narcotraficantes:

Mañana decidiremos quién será el hombre que se hincará en algún palacio en el oriente del país y rendirá pleitecía a los grandes narcos que se encargan de dar las fiestas de pueblos y cabeceras con regalos que “Don X” entrega desde avionetas cada año. ¿Cuando estaremos listos para empezar a dar los nombres de “Don X”? ¿Cuándo reconoceremos que Guatemala es tan caudillista como lo fue durante el gobierno liberal del s. XIX? Claro, la excepción ahora es que ya no hay fiestas de Minerva sino, las fiestas son en Huite, Jutiapa y Zacapa.

Amanhã diremos quem será o homem que se renderá em algum palácio no oriente do país e que vai agradar aos grandes “narcos” que se encarregarão de dar festas nos povoados e lugares com presentes que “Don X” entrega todo ano por avião. Quando estaremos prontos para dar nomes ao “Don X”? Quando vamos reconhecer que a Guatemala é tão caudilhista como foi durante o governo liberal do século XIX? Claro, a exceção agora é que não existem mais festas de Minerva. As festas agora são em Huite, Jutiapa e Zacapa.

Blog Cachacero [ES] diz:

Haber que nos esperan en estos cuatro años mas, ojala no sean cuatro años mas de atraso ni que continúe este gobierno tan desorganizado y tan malo como el que tuvimos ahora.

Vamos ver o que nos espera nesses quatro anos mais, espero que não sejam quatro anos de atraso nem que este governo tão ruim e tão desorganizado como o que tivemos agora continue.

Blogger Guate360 [ES], em seu post dedicado ao próximo presidente, propõe as exigências dos Guatemaltecos:

1. Que el crimen organizado se mantenga alejado de las instituciones públicas, siendo a su vez perseguido de manera incansable.
2. Que el crimen organizado y la delincuencia común sientan temor de la ley, devolviendo a los guatemaltecos el valor de sus vidas, la tranquilidad y ahuyentando la psicosis colectiva que ha invadido nuestra sociedad.
3. Que la totalidad de la población goce de acceso a los servicios básicos de educación, salud y seguridad.
4. Que el presupuesto general de la nación sea distribuido sabiamente a las instituciones que puedan solventar las necesidades más fuertes de nuestro país.
5. Que la generación de empleos sea prioridad, enfocándose en la productividad del país para que este atraiga inversiones, principalmente, repatriando y conservando capitales, y posteriormente, atrayendo capitales extranjeros hacia actividades que no demuestren como nuestra única ventaja competitiva, el bajo costo de mano de obra no calificada.
6. Que el Gobierno central funcione en total austeridad.

1. Que o crime organizado se mantenha longe das instituições públicas, e que seja combatido de maneira implacável
2. Que o crime organizado e a delinqüência sintam o peso da lei, devolvendo aos guatemaltecos o valor de suas vidas, a tranqüilidade e afastando a psicose coletiva que tem invadido nossa sociedade.
3. Que a totalidade da população goze de acesso aos serviços básicos de educação, saúde e segurança.
4. Que o orçamento geral da Guatemala seja distribuído de maneira sábia às instituições capazes de solucionar as necessidades mais urgentes do nosso país.
5. Que a criação de empregos seja uma prioridade, com foco na produtividade do país para que este atraia investimentos, principalmente, repatriando e conservando capitais e posteriormente, atraindo capitais estrangeiros em torno de atividades que não apareçam como sendo nossa única vantagem competitiva, o baixo custo de mão de obra não qualificada.
6. Que o governo central funcione com total austeridade.

Como presidente eleito, Colom proferiu suas primeiras afirmações, de acordo com o Blog Democracia Multicultural [ES]:

Dijo: “Hay una deuda histórica con los pueblos indígenas que debe ser atendida.

Ele disse: “Há uma dívida histórica com os povos indígenas que deve ser atendida.”

O presidente eleito se definiu como um democrata, de acordo com Cronicas Efimeras [ES] que afirmou:

Esperemos que este nuevo viraje sirva para enfocarse más en el rezago de las masas.

Esperemos que o foco desta nova etapa esteja voltado mais no sub-desenvolvimento da maioria.

Com orgulho, posso dizer que nossa democracia está funcionando e que a Guatemala é um exemplo de eleições pacíficas, de transparência e responsabilidade dos resultados onde a nova mídia presta um importante papel. Este processo democrático nos deixa como legado uma maneira pacifica de transformar as autoridades, e algumas ilusões de um futuro melhor.

Matéria de Renata Avila.

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.