Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Peru: Dia de censo

census.jpg

Foto tirada por Gustavo Picon e usada sobre uma licença do Creative Commons

O Censo Nacional 2007 [es], que aconteceu no último domingo 21 de outubro, desde o começo gerou controvérsias [es] relacionadas primariamente com a metodologia usada, que foi diferente da do censo anterior. O censo anterior também recebeu bastante criticismo. A gota d'água foi que não houve transporte público das 8h às 18h [es] no dia do censo. Apesar de tudo isso, o censo aconteceu normalmente, a não ser por alguns incidentes isolados em áreas diferentes do país. O resultado será anunciado em março. Blogueiros diferentes escreveram sobre o assunto, como o Perú Global, que respondeu às críticas do censo [es]:

Hay gente que se rasga las vestiduras por el censo y la inamovilidad, gente que demuestra su gran mediocridad, cuando hay huelgas y paros que nos atrasan en días laborables no dicen nada de nada, PERO PARA SER LOS PIQUITOS DE ORO DE SIEMPRE, HABLADORES, CHARLATANES EN ESO SI SON BUENOS, PERO PARA COLABORAR CON EL CENSO O PODER SER EMPADRONADORES VOLUNTARIOS AHÍ SE ESPANTAN CUAL COBARDES. Esa gente me da lastima, se escandalizan tanto por una inamovilidad de 10 horas , que se nota que son PRESOS DE LA ESTUPIDEZ Y RESENTIMIENTO, NO PUEDEN PASAR UNAS HORAS EN SUS CASAS CON SU FAMILIA, POBRES RESENTIDOS SOCIALES. Que lastima da esta gente

Tem gente que arranca os cabelos por causa do censo e a falta de transporte, gente que demonstra sua grande mediocridade, quando há greves e protestos que nos atrasam em dias úteis e não dizem nada, MAS PARA SER OS PAPAGAIOS DE SEMPRE, CONVERSADEIROS, CHARLATÕES, PARA ISSO SÃO BONS, MAS PARA COLABORAR COM O CENSO OU EM TRABALHOS VOLUNTÁRIOS AÍ SE ESPANTAM QUE NEM COVARDES. Essa gente me envergonha, se escandalizam tanto por causa da falta de transporte por 10 horas, se nota que são PRISIONEIROS DA ESTUPIDEZ E DO RESSENTIMENTO, NÃO PODEM PASSAR UMAS HORAS EM SUAS CASAS COM SUAS FAMÍLIAS, POBRES RESSENTIDOS SOCIAIS. Que lástima essa gente.

Do outro lado, temos a opinião de Juan Sheput em seu blogue Mate Pastor que critica o governo em relação a alguns pontos que deixa muito a desejar [es].

Las pérdidas comerciales por el paro obligado ascienden a US$250 millones. El propio censo es una perdida en sí. Niños y adolescentes diligenciando documentos con distintos tipos de letras y números. Utilizando lápices que no sirven para documentos que se van a manipular, pues la manipulación hace que se borren los datos, son tan sólo algunas de las deficiencias de este censo. Falta de entrenamiento, falta de seriedad en los censadores, son consecuencias de una total irresponsabilidad con el tratamiento de las cuentas nacionales.

As perdas comerciais por causa da paralização chegaram a 250 milhões de dólares. O próprio censo é uma perda em si. Crianças e adolescentes lidando com documentos com diferentes tipos de letras e números. Utilizando lápis que não servem para documentos que vão manipular, pois a manipulação faz com que os dados sejam borrados, são algumas das deficiências deste censo. Falta de treinamento, falta de seriedade dos recenseadores, são consequências de uma total irresponsabilidade com o tratamento das contas nacionais.

As críticas não apenas se limitam a esses pontos. Danza, pseudônimo da blogueira do Tan sólo unas burbujas questiona os motivos para o censo [es]:

¿Y a qué tanta urgencia de hacer un censo ahora? A menos que alguien por allí quiera tener pretexto para hacer cuadrar a la fuerza ciertas cifras que le intereresen mucho, yo la verdad, no la veo. O a menos que alguien esté sacando su alita de las partidas presupuestadas para el censo..

E porque tanta urgência em se fazer um censo agora? A menos que alguém por ali queira ter pretexto para fazer certas cifras que muito lhe interessam, mas, na verdade, não a vejo. Ou a menos que alguém está sacando sua alíquota da verba pressuposta para o censo.

Em adição ao criticismo que a proibição do transporte foi primariamente aceita, mas não sem causar algumas dificuldades no dia-a-dia dos peruvianos. Coralí do Milkshake de Fresa fala sobre esses exemplos [es]:

Fui a eso de las seis a comprar mi pancito en Metro y de verdad presencie una cosa inimaginable: habia tanta gente como un 24 de diciembre a medio día y un monton de chibolos tambien. Las colas en las cajas eran terribles y la gente en verdad llevaba carritos llenos de mil cosas. Pero lo peor fue a la hora de ir a buscar el pan, habia tanta pero tanta gente apretujandose sin piedad que mi esposo no puedo conseguir nada de pan porque tenia miedo de empujar o lastimar a alguna viejita, yo si consegui pan porque pese a los empujones estaba junto a algunas viejitas y señoras y pasamos piola pues… la gente gritaba porque sacaban el pan por un lado de las cestas y por el otro lado no… era todo un caos y para pesar el pan otra colaza gigante.

Foi por volta das 18h, quando fui comprar meu pão em Metro e na verdade presenciei uma coisa inimaginável: havia tanta gente, como no dia 24 de dezembro ao meio dia, e um montão de crianças também. As filas nos caixas estavam terríveis e as pessoas levavam carrinhos cheios de mil coisas. Mas o pior foi na hora de ir buscar o pão, tinha tanta gente se amassando sem piedade que meu esposo não pôde conseguir nada de pão porque teve medo de empurrar ou machucar alguma velhinha, e eu só conseguiu pão porque apesar dos empurrões estava junto de algumas velhinhas e senhoras e eles nos deixaram passar… As pessoas gritavam porque tiravam o pão de um lado das cestas e não do outro lado… era tudo um caos e para pesar o pão outra fila gigante.

Parece que algumas das perguntas não deixaram muita gente impressionada, Claudia do La Columna de Tobi anota alguns pontos com os quais não concordou [es]:

Es cierto que este censo es sumamente criticable. Pero a la larga, es un censo y debería ser lo mejor posible. ¿O no? Una de las críticas fue la falta de una verdadera capacitación para los encuestadores….Formularon mal las preguntas. David Sulmont se muere si las escucha decir “¿acá no hay nadie con discapacidad, no?” en vez de hacer la pregunta completa y dar las opciones. O, antes, decirle a mi madre “usted trabaja… ah, usted es independiente” y marcar trabajador independiente, sin preguntarle. Dicho sea de paso, mi madre no es trabajadora independiente. O que yo les diga que tengo estudios superiores completos y me marquen superior no universitario completo porque me vio “muy joven” para haber terminado la universidad… okeeeey.

É certo que esse senso é completamente criticável. Mas no conjunto, é um censo e deveria ser o melhor possível. Ou não? Uma das críticas foi a falta de uma verdadeira capacitação dos entrevistadores… As perguntas foram mal formuladas. David Sulmont morreria se escutasse dizerem “aqui não tem ninguém incapacitado, né?” em vez de fazer a pergunta completa e dar algumas opções. Ou, em vez disso, dizer para minha mãe, “você trabalha…ah, você é independente” e marcar trabalhador independente sem nem perguntar. Minha mãe não é trabalhadora independente. Ou que eu lhes diga que tenho educação superior completa, e me marcam como superior, não universitário completo porque me acharam “muito jovem” para ter terminado a universidade… okeeeey.

No entanto, esses não foram todos os problemas. Miguel Tejada, um dos blogueiros do Gran Combo Club participou do censo como entrevistador e nos conta a sua própria experiência [es]:

Me he recorrido a pie toda la avenida del ejército de 5 a 6 pm, y en todo el recorrido, familias enteras esperando omnibus para regresar a sus hogares en conos. Mucha gente se censa en los lugares donde no vive. De hecho, en edificios de apartamentos con dos cuartos o en casas minúsculas de dos habitaciones, he censado a 10 o 15 personas, que afirmaban que vivían ahí. Como el censo supone que la gente dice la verdad, uno tiene que “creerles” a los que responden, pero la multitud esperando micros para regresar a sus hogares me indica que las cosas no son así.

Andei a pé toda a avenida do das 5 às 6 da tarde, e em todo o percurso famílias inteiras esperando ônibus para voltar para suas casas. Muita gente é contada em lugares onde não vive. De fato, em prédios de apartamentos com dois quartos, o em casas minúsculas de dois quartos, foram contadas 10 a 15 pessoas que afirmaram viver ali. Como o censo supõe que as pessoas dizem a verdade, a gente precisa ‘acreditar’ nos que responderam, mas pela multidão esperando ônibus para voltarem para casa me indicam que as coisas não são bem assim.

O blogue Suriel de la Jungla Perdida reproduz uma nota do canal RPP [es] sobre os problemas que muitos recenseadores enfrentaram.

en el colegio “Santísima Cruz” del distrito de San Martín de Porres, los jóvenes censadores quemaron los documentos empleados para su labor ante la ausencia de algún representante del organismo estatal que abone el dinero. Dijeron inclusive que el INEI había prometido la entrega de víveres, gorras y polos. ”No han cumplido con las cosas que ofrecieron. Estamos aquí sin desayuno y almuerzo”, precisó uno de los censadores a RPP. El mismo problema se produjo en otros centros de recolección de datos en Barrios Altos, Surco y San Juan de Miraflores.

No colégio “Santísima Cruz” no distrito de San Martín de Porres, os jovens recenseadores queimaram os documentos empregados em seu trabalho perante a ausência de algum representante do organismo estatal que pagassem o dinheiro. Disseram inclusive que o INEI tinha prometido a entrega de comida, gorros e camisetas polo. “Não cumpriram as coisas que ofereceram. Estamos aqui sem café da manhã ou almoço” disse um dos entrevistadores ao RPP. O mesmo aconteceu em outros centros de coleta de informação em Barrios Altos, Surco e San Juan de Miraflores.

Milanta deu os parabéns e fez tudo para chamar a todos que participaram [es]:

A mi me queda felicitar a todos los que se inscribieron, incluyendo a los chicos y chicas de última hora, para cumplir un deber ciudadano (muy al margen de si me parece bien o mal el censo y si ese día quiero ser libre a pesar que es un domingo encerrado en casa y demás bla bla bla…). Agradecerles por su tiempo invertido (palabrita de moda, ¿no?…) en una tarea que MUCHOS OTROS no la quisieron ni la desearon. Luego se quejan que falta más democracia y tanta palabrería que sinceramente caaaaaaaansa. En los hechos más que en las palabras se ven la voluntad y las actitudes de toda persona comprometida y que busca el bien de su país. Nada más.

Eu gostaria de dar os parabéns a todos os que se inscreveram, incluindo os meninos e meninas de última hora, para cumprir um dever cidadão (o que é muito diferente se o censo me parece bom ou ruim e se nesse dia eu quero ser livre para pensar que é um domingo trancado em casa e mais bla bla bla…). Eu agradeço a vocês por terem investido seu tempo (palavrinha da moda, não?) em uma tarefa que MUITOS OUTROS não quiseram nem a desejaram. Logo se queixam que falta mais democracia e tanto falatório que sinceramente caaaaaaaansa. São nos gestos mais que nas palavras que se vê a vontade e as atitudes de toda pessoa comprometida que busca o bem de seu país. Nada mais.

(texto original de Juan Arellano)

 

Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.