Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Mais reações ao Nobel da Paz indo para Al Gore/IPCC

Essa é um continuação da matéria de Georgia sobre as reações em relação às nomeações de Al Gore [en] do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) [en] ao Prêmio Nobel da Paz. Apresentamos aqui reações dos EUA, Quênia, Etiópia e África do Sul.Al Gore
Começamos nos EUA com um comentário de Alex Steffen do world changing [en] que escreveu:

Al Gore and IPCC winning the Nobel Peace Prize symbolizes more than just a head-nod towards some eco-fad — it shows that sustainability has finally moved from the outskirts of activism to the most central halls of authority. Concern for the planetary future is now as credible as it is possible to get. The beginning of the struggle to save ourselves from ecological catastrophe has come to an end and we can begin to see the outlines of the next stage of the struggle.

A nomeação de Al Gore e do IPCC para o prêmio Nobel da Paz simboliza mais do que um sinal de afirmação da onda ecológica – mostra que a sustentabilidade finalmente saiu do âmbito do ativismo para se tornar a parte mais central no âmbito das autoridades. A preocupação com o futuro do planeta é agora mais verossímil do que nunca. O início da luta para nos salvarmos da catástrofe ecológica chegou ao fim, e agora podemos começar a ver os traços da próxima etapa da luta.

A idéia de que uma nomeação para o Prêmio Nobel da Paz significa que uma pessoa transcendeu as políticas locais (e tantas vezes insignificantes) de sua localização geográfica é mencionada por dois blogueiros de lugares diferentes, um na América e outro no Quênia. Na postagem ‘For whom the Nobel tolls’ [en] David Roberts discute a nomeação ao Nobel e a dúvida sobre se Al-Gore deveria ou não concorrer à presidência. Ele destaca que:

Over the past week, all the U.S. media could talk about was how winning might affect Gore's chances in the U.S. presidential race. To me this demonstrates just how badly our media is misjudging the race, Gore's significance, and our current historical moment.

Durante a semana que passou, a imprensa dos EUA só teve um assunto, como essa nomeação deve afetar as chances de Gore na corrida à presidência. Para mim, isso demonstra apenas como a forma como a nossa imprensa está julgando as eleições, a importância de Gore e o nosso momento histórico atual está equivocada.

Ele explica porque acha que Al Gore não deveria se candidatar à presidente, dizendo (resumido):

…it would be a disaster for Gore to enter the race at this point — not because he might lose, but because he has transcended U.S. partisan politics. He has become a figure of global stature, one of a tiny fraternity of private individuals in the world capable of driving historical change from outside the confines of any institution. What many Americans don't realize is that the rest of the world is not distracted by the serial, lurid distractions that compose our political dialogue. Our national conversation is dominated by the resentful bile of a core of nationalist, reactionary, authoritarian ding-dongs, but it's not like that when Gore goes overseas. In other countries, they don't care about his electrical bills or his waist size or his clothing choices or his lack of that most important qualification for leader of the free world, the ability to act like a regular guy.

Gore can't act like a regular guy. He's smart, and he talks like a smart person. He's earnest and committed. He cares. He wants to help save the world.

… Seria um desastre para Gore entrar na corrida a essa altura – não porque ele pode perder, mas porque ele transcedeu a política partidária dos EUA. Ele se tornou uma figura de prestígio global, parte de uma pequena fraternidade de indivíduos no mundo capazes de mudar o curso da história de fora do confinamento de uma instituição. O que os americanos não se dão conta é de que o resto do mundo não está se incomodando com as chocantes confusões em série que permeiam o nosso diálogo político. Nossa conversa nacional é dominada pela amargura de um núcleo de nacionalistas, reacionários, autoritários idiotas, mas não é assim quando Gore sai do país. Em outros países, não se quer saber da conta de eletricidade dele, do número que ele veste, do tipo de roupa que escolhe ou da falta daquela qualificação mais importante para um líder de um mundo livre, a habilidade de agir como um cara normal.

Gore não consegue agir como um sujeito normal. Ele é esperto, e fala como uma pessoa esperta. Ele é sério e comprometido. Ele se preocupa. Ele quer salvar o mundo.

Uma discussão no blogue queniano Kumekucha [en] sobre a idade dos vencedores do Prêmio Nobel da Paz deste ano, invariavelmente, acarretou a menção da laureada queniana do Nobel, que ganhou o prêmio por causa de seu trabalho em prol do meio-ambiente, Wangari Maathai. O comentário de Taabu se destaca:

…Prof Wangari Muta Maathai is a 1940 born making her averagely younger than these years’ Laureates. In my estimation she is one GREAT Kenyan whom we have failed to use to our motherland’s advantage. She is a global citizen still embroiled in sectarian politics. She belongs to all of us. Just here her opening acceptance speech during the Prize’s presentation in 2004:
“I stand before you and the world humbled by this recognition and uplifted by the honour of being the 2004 Nobel Peace Laureate. As the first African woman to receive this prize, I accept it on behalf of the people of Kenya and Africa, and indeed the world.”

And we still shamelessly bottle her in our small and petty village politics?

… A professora Wangari Muta Maathai nasceu em 1940 o que faz dela, em média, mais jovem do que os laureados desse ano. Na minha opinião, ela é uma GRANDE queniana que nós não sucedemos em aproveitar para dar vantagem a nossa terra. Ela é uma cidadã do mundo ainda amarrada a políticas sectárias. Ela pertence a todos nós. Veja aqui um trecho de seu discurso de abertura durante a apresentação do prêmio 2004:
“Eu me ponho à frente do mundo com toda a humildade perante esse reconhecimento e regojizada pela honra de ser nomeada como ganhadora Prêmio Nobel da Paz de 2004. Como a primeira mulher africana a receber esse prêmio, eu o aceito em nome de todo o povo do Quênia e da África, e, de fato, de todo o mundo.”

E a gente ainda não tem vergonha de aprisioná-la em nossa pequena e insignificante política de vilarejo?

Da Etiópia: Addis Journal pergunta [en] “O que Al Gora tem feito em nome da Paz?”:

Na África do Sul, Carl do Greencars [en] parabeniza Al Gore e IPCC. Ivo [en], uma revista de jornalismo e opinião não entende como a nomeação [en] de Al Gore e IPCC faz valer a vontade de Alfred Nobel ao dar início ao prêmio, dizendo:

For all their entertainment value, how either Al Gore or the Intergovernmental Panel on Climate Change created fraternity between the nations, abolished or reduced standing armies, or held and promoted peace congresses, is beyond me.

Por todo o valor de espetáculo que eles têm, a forma como tanto Al Gore quanto o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas criaram fraternidade entre as nações, aboliram ou reduziram exércitos em guerra ou apoiaram e promoveram congressos em prol da paz vai além de meu entendimento.

(texto original de Juliana Rotich)

 

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.