Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Peru: Como a mídia conduziu as alegações contra Toledo

Notícias sobre presidentes peruanos parecem dominar as páginas principais dos jornais. O modo como eles são tratados pela imprensa varia. Alguns dizem que o atual Alan Garcia é bem tratado pela grande mídia. Dizem que o presidente anterior Alberto Fujimori também possui certos órgãos que apóiam ou se inclinam a seu favor. Outro ex-presidente tem tido alguns problemas com a mídia, Alejandro Toledo. Blogueiros estão começando a noticiar como a imprensa reage a certos eventos que envolvem estes chefes de estado atuais e anteriores, especialmente, à luz de recentes alegações direcionadas a Toledo.
O blog Gran Combo Club [ES] opina que o ex-presidente Toledo foi tratado diferentemente pela imprensa nacional.

Lo he escuchado mucho. La prensa se metía con el ex-presidente Toledo en una forma inusual. No lo hizo así con presidentes anteriores, ni lo está haciendo con su sucesor. ¿Por qué? Una hipótesis es el racismo. Toledo, un mestizo, habría creado muchos anticuerpos por razón de su origen y su raza. Incluso cierto sector de la prensa informaba de los entretelones que ocurrían en palacio, en Punta Sal, en reuniones sociales. Sí, metió la pata en muchas cosas, él al igual que Karp, pero las críticas y la forma cómo se hicieron no se han visto antes ni después con otros presidentes peruanos. El caso de Federico Dantón, por ejemplo, fue abordado de manera muy diferente por la prensa limeña y peruana…

Eu ouvi falar muito sobre isso. A imprensa dava um tratamento não usual ao ex-presidente Toledo. Não agiu de maneira semelhante com outros presidentes, nem o está fazendo com seu sucessor. Toledo, um mestiço, havia criado muitos anti-corpos por causa de sua origem e raça. Um certo setor da imprensa relatava o que acontecia no palácio, em Punta Sal, em reuniões sociais. Sim, ele se equivocou em muitas situações, assim também como Karp (sua esposa), mas as criticas e o modo como era criticado nunca foi visto por outros presidentes peruanos. É o caso de Frederico Danton que, por exemplo, foi abordado de maneira muito diferente pela prensa de Lima e do Peru.

Um novo exemplo ilustrando o tratamento da imprensa apareceu recentemente, em que alegações em direção a Toledo e uma suposta “cortina de fumaça” se tornaram parte da conversação pública. O blog Manito de Cuy [ES] resume estas acusações:

En sorpresiva conferencia el Congresista Gustavo Espinoza de UPP denunció, muy alegremente, el dia de hoy a mediodia, a Alejandro Toledo por el delito de violación contra una agraciada señorita de nombre Diana Arévalo Sagastegui de 22 años. El supuesto hecho, habría ocurrido el mes de setiembre pasado y denunciado ante la comisaria de Orrantia. Segun lo señalado por Espinoza el hecho habria ocurrido en casa de Adam Pollack el mismo que habría invitado a la citada señorita a “una reunión de orgía y licor” (sic) donde habría sido sometida a las bajas pasiones del ex-mandatario
Resulta realmente sorprendente y sospechosa esta denuncia a pocas horas de debatirse la moción de censura al ministro Alva Castro. No queremos creer que denuncias como estas deban ser entendidas como parte de un manejo político digno. Parece mas una cortina de humo diseñada a opacar las repercusiones de la censura al Ministro del Interior.

Em uma surpreendente conferência, o congressista Gustavo Espinoza, do UPP fez uma denúncia, muito alegremente, no dia de hoje ao meio-dia, contra Alejandro Toledo pelo delito de violação contra uma agraciada senhorita de nome Diana Arévalo Sagastegui de 22 anos. O suposto fato teria ocorrido no mês de setembro passado e sido denunciado à comissária de Orrantia. Segundo o que foi assinalado por Espinoza, o fato teria ocorrido na casa de Adam Pollack. Ele mesmo teria convidado a senhorita para participar de “uma reunião de orgia e licor” [ES] de onde teria sido submetida aos desejos do ex-mandatário.
É realmente surpreendente e suspeitosa esta denúncia pouco antes de se debater a moção de censura ao ministro Alva Castro. Não queremos crer que denúncias como estas devam ser entendidas como parte de uma manobra política digna. Parece mais uma cortina de fumaça desenhada para ofuscar as repercussões da censura ao Ministro do Interior.

Depois de ir de um lado para o outro, o blogueiro Marco Sifuentes, do El Útero de Marita [ES] e jornalista com o programa de Televisão La Ventana Indiscreta fornece detalhes adicionais:

Hoy fui al sitio donde ocurrió la supuesta violación. Resultó ser el local de una empresa de Pollack. También fui al lugar que Diana Arévalo dio como su domicilio. Resultó ser, según los vecinos, el local de un servicio de call-girls (chaza la elegancia). El incidente ocurrió hace dos semanas. La chica en cuestión nunca hizo la denuncia -se chupó apenas pisó la comisaría- y, por tanto, no se sometió al médico legista, así que a estas alturas no hay ninguna forma de probar qué ocurrió. Y esa “ocurrencia” policial sospechosamente mal hecha (¿”una persona llamada Toledo”?) no ayuda mucho. En fin, todo indica que aquella fue una típica noche loca más de nuestro ex presidente favorito, pero gone wrong. Lo cual no quiere decir necesariamente que sea culpable. Ni inocente.
ACTUALIZACIÓN (06/10): Lo dicho: una noche loca más. Anoche habló la chica en La Ventana Indiscreta y ahora cuenta que Toledo no la violó. A lo más se le fue encima, pero eso queda, creo, en el terreno de negociaciones entre dos adultos. Ahora que Toledo le meta el juicio del año a Espinoza y que la próxima vez, digamos, cuide mejor sus pasos.

Hoje fui ao lugar onde ocorreu a suposta violação. Resultou que era o local de uma empresa de Pollack. Também fui ao lugar que Diana Arévalo deu como sendo seu domicílio. Resultou ser, de acordo com os vizinhos, uma garota de programa. O incidente aconteceu duas semanas atrás. A garota nunca fez a denúncia e não se submeteu a um exame de corpo-delito, então não há maneira de provar o que aconteceu. Essa ocorrência policial supostamente mal-feita (“uma pessoa chamada Toledo?”) não ajuda muito. Ao final, todas as indicações são de que foi mais uma típica noite louca do nosso ex-presidente favorito que deu errado, o que não significa necessariamente que ele não seja culpado nem inocente. ATUALIZAÇÃO (06/10): Eu lhe disse; Foi apenas mais uma noite louca. Na noite passada, a mulher falou sobre o programa La Ventana Indiscreta e disse que Toledo não a estuprou. No máximo, ele foi longe demais, mas parou por ali, eu acho, em negociações entre dois adultos. Agora Toledo está movendo o processo do ano contra Espinoza e que, da próxima vez, assim espero, ele saiba onde está pisando.

O modo como a imprensa reportou as alegações chamou a atenção dos blogueiros. Pepitas.com [ES] fornece as chamadas de capa de alguns dos maiores jornais e escreve:

“Dime que portada tienes y te diré quién eres”. Es una frase perfecta para describir la actual línea editorial de la prensa peruana y su posición frente al poder de turno.

“Diga-me qual a capa que você tens que te direi quem és.” É a frase perfeita para descobrir a linha editorial atual da imprensa peruana e sua posição em relação à administração atual.

Gran Combo Club [ES] produz algumas questões relativas a curiosos detalhes que diferenciam o que se pode perceber no tratamento da RPP, uma cadeia de rádio de Lima de alcance nacional em relação aos dois ex-presidentes: Toledo e Fujimori:

Fijémonos en estos dos titulares de RPP:

Congresista Espinoza denuncia que Toledo violó a una joven en “orgía”

Justicia reprogramará instructiva en proceso contra ex presidente Fujimori

Mientras Alejandro Toledo es “Toledo”, Alberto Fujimori es “ex presidente Fujimori”. Además, el congresista Espinoza sí merece que se resalte que es congresista. (Y a todo esto, Fujimori también tuvo una denuncia de violación en EEUU. Alguien podría escudriñar en el tema.)

Fixemo-nos em estas duas chamadas de RPP:

Congressista Espinoza denuncia que Toledo estuprou jovem em “orgia”

Justiça vai re-programar instrutiva em processo contra ex-presidente Fujimori

Enquanto Alejandro Toledo é “Toledo”, Alberto Fujimori é “ex-presidente Fujimori”. Além disso, Espinoza é reconhecido como congressista. (E, além de tudo, Fujimori também teve uma denúncia de estupro nos EUA. Alguém poderia esmiuçar o tema.)

O tratamento do caso na televisão, também vale a pena ser comentado. O blog Lo Justo, Varón [ES] escreve sobre o tratamento que a acusação contra Toledo recebeu:

La depredadora de Agencia.Perú ataca de nuevo, esta vez contra otra de sus presas favoritas: Alejandro Toledo, a quien también atacó y ridiculizó sin misericordia durante su gobierno. Y hoy, con la burda y torpe denuncia de un bípedo bautizado como Gustavo Espinoza, a la sazón congresista de la República, la “Chichi” no desaprovechó la oportunidad y desenvainó la chaira contra Toledo Manrique, dedicándole DOS programas a la ‘denuncia’ ésta, a la vez que trataba con guante de seda al tal Espinoza.

A predadora Agencia.Perú ataca novamente, desta vez contra outra de suas presas favoritas: Alejandro Toledo, a quem também ridicularizou sem piedade durante seu governo. E hoje, com a tosca e desastrada denúncia de um bípede batizado de Gustavo Espinoza, Cecilia Venezuela (do programa de televisão La Ventana Indiscreta) aproveitou a oportunidade e para dedicar DOIS programas a Toledo, em função das “alegações”, e ao mesmo tempo, tratando Espinoza com luva de pelicas.

(Matéria de Juan Arellano)

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.