Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

China: O Crazy English enlouqueceu?

Crazy English [Inglês Louco] é uma organização educacional particular cujo fundador, Li Yang, defende um novo método para se aprender inglês: gritar frases antiquadas em inglês e aproveitar toda oportunidade de aproximação com alguém que fale a língua para conversar – tudo para afastar a timidez. Os aprendizes devem gritar as frases o mais alto possível. O Crazy English tem centros de estudo por toda a China, e é tão conhecido que milhões de alunos já freqüentaram seus cursos em menos de uma década de existência.

Entretanto, uma foto postada recentemente no blogue de Li Yang gerou muita controvérsia e desencadeou todo tipo de reação: condenação, sarcasmo e até apoio. A forte reação na blogosfera e na mídia fizeram com que ficasse impossível ignorar a história.

kneel-down.jpg

A foto postada em 4 de setembro, mostra 3000 alunos ajoelhados diante de seus professores do Crazy English. Ela foi tirada na cerimônia de inauguração do segundo centro de treinamento do Crazy English em Bao Tou, no interior da Mongólia. São todos alunos de uma escola local de ensino médio.

Um grande número de internautas furiosos logo condenou a atitude, dizendo que isso não é educação e sim uma lavagem cerebral de servilismo e fraqueza de caráter, porque historicamente na China, ajoelhar-se representa ser servil ao poder.

O blogueiro Tong Wandou questionou:

“Embora reverenciar de joelhos tenha mostrado extrema cortesia, isso representa a realeza que enfatizou a desigualdade entre as pessoas, em vez de respeito mútuo, de acordo com a sociedade moderna”.

Xu Xiaoping, professor da New Oriental [en], outra instituição que ajuda os alunos a passar no Toefl e SAT, criticou duramente Li Yang:

“O incidente no qual Li Yang aceitou que os alunos se ajoelhassem, terá que ser notícia digna de nota na área de educação este ano. Ele sinaliza o quão seriamente o valor central da educação chinesa foi perdido. Li Yang ainda aprovou abertamente o chocante ato. Isso demonstra que ele não tem a mínima noção do que seja educação”.

Além disso, alguns compararam Li Yang a um aspirante a líder de seita do mal:

“Li Yang se glorificou para promover o Crazy English, um ensino que enfeitiça, que nada mais é que um artifício enganador. Não sou professor de inglês, mas sei que não precisamos ser loucos para estudar inglês. Será que os americanos e ingleses ficam loucos quando estudam sua língua nativa?
Nas ficções de espadachins, eu vejo aqueles líderes religiosos
(de grupos ilegais) sempre reunindo infiéis que se ajoelham, com o objetivo de se glorificarem e depois tomar o poder. Li Yang fez o mesmo. Será que Li Yang é insano também? Quem virá salvá-lo”? Por Wang Junrong no Strait Metropolitan Daily.

O post de Li Yang recebeu mais de 270.000 cliques e 500 comentários em poucos dias. Obviamente, esses comentários são mais do que Li Yang esperava. Mas ele não desistiu e em seu post de 8 de setembro, insistiu no seu posicionamento:

“Aqui, vou esclarecer: em primeiro lugar, fui eu quem sugeriu aos alunos que se ajoelhassem para os professores para expressar seu agradecimento; em segundo lugar, eu acho que isso é um ato comum, mas significativo!”

li-yang.jpg
Ele explicou o que aconteceu naquele dia: primeiro ele sugeriu aos alunos que se curvassem por respeito aos professores, mas logo aconselhou-os a se ajoelhar devido ao pouco espaço. Os alunos seguiram sua sugestão, e então se ajoelharam voluntariamente.

Em entrevistas, Li Yang disse que esse comportamento significa uma profunda introspecção porque freqüentemente nos esquecemos de agradecer àqueles que nos ajudaram muito, e comparou-o ao daquele primeiro-ministro alemão que se ajoelhou na Polônia. Ao mesmo tempo, comparou o estilo de escrita de Xu Xiaoping àquele da revolução cultural, quando as pessoas caluniavam e difamavam umas às outras.

Mas a maioria dos internautas não parou de criticar. Zhang Junyi repreendeu em seu blogue:

“Com certeza não há nada de errado em expressar agradecimento. Entretanto, aplicar tal método quase abandonado nos dias de hoje, é em si um excesso emocional de agradecimento”.

Xu Xunlei duvida que Li Yang não entenda corretamente o significado de educação:

“A essência da educação é fomentar a integridade e independência das pessoas, não pressioná-las a ficar de joelhos. Equiparar tal comportamento a respeito aos professores, não vale uma repreensão”.

E alguns internautas além disso, argumentaram que os alunos foram obrigados a se abaixar devido àquela atmosfera opressiva criada por Li Yang, como numa congregação nazista.

Apesar do mar de críticas a Li Yang, muitos ainda estão do seu lado. No blogue de Li Yang, um fã do Crazy English chamado Wang Zhijie deixou um comentário:

“aqueles que conquistam têm que experimentar uma grande solidão”!

Ninguém pode absolutamente dizer se os chineses são sensíveis demais à era servil do passado, ou se é só uma jogada do provedor de internet Sina.com, ou até mesmo um artifício de Li Yang para chamar atenção de uma maneira incomum. Afinal de contas, Li Yang, o protagonista em evidência desse duelo, pode ser um homem muitíssimo determinado que está sustentando suas idéias. Foi assim que ele resumiu a coisa toda:

“A foto é verdadeira, e fui acostumado a isso (ajoelhar). Mostra respeito aos professores. Daqui a dois dias terei aula em Cheng Du, e acredito que possa fazer com que os melhores alunos de lá também se ajoelhem”.

(texto original de Bob Chen)

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.