Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Marrocos: Baixo comparecimento às urnas

As eleições marroquinas – cheias de expectativa – finalmente acabaram, e com resultados surpreendentes. Embora a expectativa fosse de que o islamita PJD (Partido da Justiça e do Desenvolvimento) varresse as urnas, o partido nacionalista Istiqlal (Independência) ganhou 52 cadeiras [en] (o PJD ganhou 47), deixando alguma especulação sobre a justiça da votação (embora a Reuters da Africa tenha divulgado [en] que as eleições foram ordeiras).

Ontem, a editora do Global Voices Online para língua francesa Jennifer Brea dividiu conosco uma entrevista com Intikhabat2007.com, um fotoblogue de submissão pública dedicado a fazer com que os marroquinos expressem suas opiniões sobre políticas. Os organizadores do site disseram numa entrevista que poucos partidos políticos do Marrocos conseguiram atrair a atenção do povo e que a expectativa era de que apenas 37% dos eleitores comparecessem às urnas.

Voting Graph - Moroccan Elections

A autora Laila Lalami [en] lamentou a impossibilidade de votar:

“By the way, even though I have dual Moroccan and American citizenships, and even though the constitution provides for the voting rights of MREs (or Moroccans Residing Abroad) I am not able to vote in these elections, because no procedures have been put in place for absentee ballots. Voters must be present at their precincts. More than 3 million Moroccans are thus excluded from the democratic experiment.”

“Por falar nisso, embora eu tenha dupla nacionalidade marroquina e americana, e mesmo que a constituição dê o direito de voto a MRE (ou Marroquinos Residindo no Exterior) eu não posso votar nessas eleições, porque nenhum procedimento foi organizado para recolher o voto de quem está no exterior. Eleitores devem se apresentar em seus distritos. Mais de 3 milhões de marroquinos estão portanto excluídos do experimento democrático.”

Agadir [fr] ficou desconsolado com o pequeno número de eleitores:

“Avant de nous aventurer dans des lectures zélées et des prédictions hasardeuses, une chose est sûre, le taux de participation n’a pas atteint les espérances de tous acteurs politiques. Jusqu’à hier soir à 18h, on parlait de 34% de taux de participation avec une estimation du Ministre de l’Intérieur allant jusqu’à 41% lors de la fermeture des bureaux de vote

“Antes de me aventurar em leituras profundas e predições perigosas, de uma coisa tenho certeza, o número de participantes não alcançou as expectativas de todos os protagonistas políticos. Até a noite de ontem, às 18h, se falava de um índice de 34% de participação, com expectativa do Ministro do Interior chegando a 41% no momento em que os pontos de votação fechassem”


Yassine
[en] compartilhou desse sentimento:

“What I can see is that though the Moroccan government for the first time have put a big budget on advertising, turnout was bellow expectations as can be seen from the news. May be the cause of this is that there was “no real debates by either the government or the opposition”, and the parties’ platforms were “global and ambiguous” as Mohammed Tozy has suggested.”

“O que posso ver é que embora o governo marroquino tenha pela primeira vez feito um bom investimento em propaganda, o comparecimento às urnas foi menor do que a expectativa, como pode ser visto através das notícias. Talvez a causa disso tenha sito o fato de não ter existido “nenhum debate de verdade nem por parte do governo nem da oposição”, e as plataformas dos partidos terem sido “globais e ambíguas” como sugeriu Mohammed Tozy.”

Agora [fr] especula que talvez essas eleições sejam apenas o primeiro passo:

“Pour moi les enjeux sont ailleurs. Ils sont dans l’éducation -elle doit être revue de fond en comble-, la santé et la justice. Quand ces trois piliers de ce qu’on appelle “l’Etat moderne” seront réunis le reste suivra. Et les gens se déplaceront d’eux même pour voter sans qu’on ne les supplie pour le faire.”

“Para mim as apostas estão em todos os cantos. Estão na educação – que precisa ser reavaliada desde a base – na saúde e na justiça. Quando esses três pilares do que é chamado “o estado moderno” forem reunidas, o resto seguirá. E as pessoas poderão até vontade de votar sem serem obrigadas a isso.”

Selwa [fr] celebrou a derrota do PJD:

“- Contente que le PJD ne soit pas premier…Qui l’aurait dit…70 à 80 sièges ils pensaient avoir…Et beh!
Moralité de l’histoire: Il ne faut pas avoir les yeux plus gros que le ventre. .”

“Contente que o PJD não foi o vencedor…Quem pensaria nisso…70 a 80 cadeiras que eles pensavam que tinham…E blá!
Moral da história: não se deve ter os olhos maior que a barriga. .”

Por fim, Eatbees [en] ofereceu os pontos altos da eleição, resumindo suas idéias sobre o processo inteiro:

“Anyone who says this is a victory for Moroccan democracy has been smoking something. This was a victory for subtle, technocratic gaming of the system that gave the Makhzen exactly what it wanted, a free ride for five more years. I don’t see how this can be healthy in the long run, because the disillusionment bubbling beneath the surface is not going to go away, only now the safety valve is shut for five more years. The only other “winners” in this process are those who boycotted the elections altogether in order to discredit the system, since it will be hard for the powers that be to spin a 41% turnout as a vote of confidence.”

“Quem disser que a vitória foi da democracia marroquina é porque andou fumando alguma coisa. Essa foi a vitória do sutil, tecnocrático jogo do sistema que deu a Makhzen exatamente o que se queria, montar por mais cinco anos. Eu não vejo como isso pode ser saudável a longo prazo, porque a desilusão borbulhando por baixo da superfície não vai acabar, não agora que a válvula de escape está fechada por mais cinco anos. Os únicos “vencedores” desse processo são aqueles que boicotaram as eleições completamente para desacreditar o sistema, já que vai ser difícil para os poderes verem de um comparecimento de apenas 41% como um voto de confiança.”

O blogueiro Bill Day [en] acrescenta:

“As Eatbees sees it, the only winner was the Palace.”

“Como Eatbees vê, o único vencedor foi o palácio”

Para ver mais reações de blogueiros às eleições em francês, inglês e árabe, veja o site Blogma Aggregator.

Crédito das imagens: Intikhabat2007.com

 

(texto original de Jillian York)

 

 O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

 

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.