Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Coréia: Coreanos em Utoro

Existem 203 coreanos em um pequeno vilarejo, Utoro, no Japão. Eles moram em Utoro desde que seus ancestrais foram recrutados para trabalhar durante o período da colonização japonesa e não tiveram condições financeiras de voltar para a Coréia. Mais de 60 anos depois, eles estão para ser colocados para fora. Abaixo, um recorte de notícia [En].

“Descendentes de coreanos morando em Utoro, no Japão, estão enfrentando tempos difíceis com a venda iminente de suas residências a um outro comprador. A proposta pode expulsá-los de suas casas já nesse mês… Utoro foi construída nos anos 40, quando a colônia japonesa recrutou 1.300 coreanos para construir pistas de pouso para as forças aéreas. Mas a construção não foi concluída devido ao fim da guerra. Como resultado, aqueles coreanos froam abandonados no meio de lugar nenhum. As pessoas que não tiveram condições financeiras de voltar à Coréia se juntaram ao redor da cidade de Utoro e viveram em casas de taipa, enfrentando pobreza e racismo.
No entanto, o governo japonês, a quem a terra onde os coreanos estão hoje pertence, vendeu a propriedade a uma corporação particular em 1987. Desde então, os moradores têm tido que enfrentar aqueles que estão tentando vender suas terras e colocá-los para fora de suas casas. Em 2005, as notícias chegaram aos ouvidos de vários progressistas na Coréia, e 500 milhões foram ganhos para contribuir permitindo que as pessoas comprem as terras nas mãos dos proprietários japoneses, mas tratava-se apenas de uma fração do preço pedido pelos proprietários.
Recentemente, o novo dono da terra disse aos residentes que uma outra empresa construtora estava interessada em comprar o terreno. Ele deu um ultimato que a menos que os residentes atuais comprem as terras até 31 de julho (nota do editor: houve um adiamento até o fim de agosto), elas serão vendidas e eles terão que sair. Dizem que o comprador está em fase de planejamento do empreendimento na terra.
Em 2005, Ban Ki-moon, então ministro de relações internacionais e no momento secretário-geral da Organização das Nações Unidas, prometeu ajuda aos residentes se as doações por parte dos cidadãos não fossem suficientes para cobrir o valor solicitado.
Kim Kyo-il, o líder do vilarejo, e outros sete visitaram a Assembléia Nacional, patrocinadores e grupos cívicos pedindo ajuda. No entanto, o governo disse que é impossível dar o dinheiro, já que isso seria injusto para outros coreanos vivendo no Japão que não têm direito a subsídios do governo. De acordo com alguns relatos, tudo o que o governo pode fazer é ajudar a encontrar centros de assistência social que os aceitariam depois das demolições.
Kim disse entender o dilema do governo. “Mas o que estamos esperando é algum tipo de aconselhamento legal que não requeira uma grande soma de dinheiro”, ele acrescenta.
Para muitos residentes, deixar o vilarejo significa muito mais que apenas uma mudança. O local tem servido de abrigo para muitos que foram discriminados na sociedade japonesa.
“Utoro foi rotulada como uma favela de Joseon entre os moradores de Kyoto. Muitas pessoas nos encaravam com desprezo e nos colocaram em tempos difíceis. Mas aqui éramos felizes, tínhamos a compânia um dos outros” disse Kim.
Durante a viagem deles à Coréia, alguns membros de organizações não governamentais organizaram concertos de caridade para promover a história de Utoro.
Vários legisladores, que apoiavam a causa, comprometeram-se a levar o assunto à Assembléia Nacional, mas a sessão plenária está marcada para setembro, e pode ser tarde demais.
“Mas obrigado a todos por se preocupar tanto com isso. Vamos lutar até o último minuto para viver em nosso lugar, e por favor rezem por nós e nos apóiem na Coréia” os residentes coreanos de Utoro disseram ao voltarem ao Japão.
Os 6.400 pyong (587.6 metros quadrados) de terra era o lugar onde eles mantinham suas identidades de coreanos, disse Bae Ji-won, diretora do grupo de apoio a Utoro. Ela explicou que os 1.300 moradores, que foram literalmente atraídos à terra, nunca receberam compensação por parte do governo Japonês e por essa atração e que a terra em que eles vivem é a única coisa com a qual eles contam…”

Já que restam alguns dias, os apelos partindo de internautas para permitir que as pessoas apóiem a causa de Utoro tem crescido rapidamente. Alguns blogueiros expressam falta de conhecimento através da internet e outros utilizam a internet, colocando links para as histórias de Utoro ou fazendo cartuns e animações para chamar a atenção das pessoas.

Blogueiros refletem sobre o que eles e o governo coreano podem e devem fazer para ajudar o povo de Utoro.

일제강점기
강제로 이주당한 그 사람들을 볼때마다
화가납니다. 국제방에 와서 보니 베스트에 올라있는 글들 중에
우토로란 현안을 언급하는 글들이 없어서
많이 아쉽습니다.

다시 한번 생각해 보았으면 합니다.
시한은 촉박하고 우리에게 점점 희망이 사라져 가지만
형평성이니 구제니 하기전에 우리정부가 할 수 있는 방법을 모색해보자고
말해보고 싶습니다.

“Eu fico irado sempre que eu vejo pessoas que foram convocadas durante o período da colonização japonesa. Fico triste em ver que o problema de Utoro não chama muito a atenção. Deveríamos pensar novamente.
O tempo está passando e as esperanças estão se enfraquecendo. Mas antes de discutirmos sobre igualdade e ajuda, espero que o governo tente encontrar uma solução.

Blogueiros como Hangulo sugerem idéias sobre como resolver esse problema.

…최근에 300억원 이상 친일파의 땅을 환수하기로 했으면, 그중의 일부는, 일제시대때 끌려간 우리의 동포를 구제하는데 사용해야 하지 않나? 일본의 땅을 한국 정부가 구입하고, 일제시대 강제 징용자들에게 장기 임대하면 되는 문제다.

이 일에 쌍심지를 켜고 보는 어떤이들은, “그러면 한국에 들어와서 살지 그러냐?”고 한다. 참 철없는 헛소리다. 어느곳에서 60년을 살았는데, 하루아침에 그 터전을 버리고 다른 곳에서 살라고? 미안하지만, 이미 그 분들은 한국에서 받아들일 자리가 없다. (우리가 얼마나 편협한지는 다 알지 않나?) 한국말도 잘 못하거나, 한다고 하더라도 일본에 모든 터전이 있는 그 분들이 한국에서 어떻게 뿌리를 내리나?

그냥. 쉽게 생각하자. 우토로 문제를 먼저 해결하고, 차차 그와 비슷한 문제들을 해결하자. 이미 그 분들은 나라를 잃은 “대한민국”의 과오때문에 많은 희생을 겪으셨다. 그런 분들에게 조국이 등을 돌린다면, 이 나라에서 “대~한민국”을 외치는 우리 대한민국 국민으로서 수치스러운 일이 아닐 수 없다.

“Recentemente, descendente de japoneses colaboradores na Coréia durante o período da colonização japonesa prometeram devolver terras que valem 30 bilhões de dólares americanos que seus ancestrais conseguiram na época. Não temos que utilizar o dinheiro para ajudar as pessoas que foram alistadas durante o mesmo período? O governo coreano pode comprar a terra em Utoro e alugá-la para aquelas pessoas. Alguns dizem “Por que eles não voltar para a Coréia?” Do que eles estão falando? Eles moram lá há 60 anos. Podemos dizer, em um dia, que eles voltem aqui, abandonando o lugar deles? Lamento dizer, não não há lugar onde eles possam ser aceitos (sabemos a mente fechada que temos). Eles não falam coreano bem. Mesmo que falassem, como podemos força-los a abandonar o lugar onde eles nasceram e cresceram?

Vamos pensar calmamente! Primeiro de tudo, resolva-se ele problema Utoro, e em seguida devemos resolver problemas parecidos. Aquelas pessoas já passaram por muitos sacrifícios por causa dos erros da “República da Coréia”, se a Coréia não tomar conta deles, como um dos coreanos que gritam “Dae~hanminguk (República da Coréia),” é a nossa vergonha.”

Sugestões diretas aos candidatos presidenciais também não são poucas.

대선후보, ‘우토로’가 당신들을 기다립니다.

이럴때, TV에 나와서 약속하고 실천하는겁니다. 저번 대선 때, ‘이미지정치’로 아주 확실하게 효과보셨죠? 이제는 ‘실체’까지 책임지는 ‘이미지정치’하시길 바랍니다…

‘대선’에서 정말 효과보고 싶으면 이런 일 합시다.

“Candidatos nas eleições presidenciais, Utoro os aguarda.
Em épocas como essas, vocês aparecem na TV e fazem promessas e tomam algumas atitudes. Nas últimas eleições presidenciais, “imagem política” levou ao sucesso. Dessa vez, espero que vocês tenham a “imagem política que inclua responsabilidade para com a ‘realidade’.
Se vocês realmente querem se destacar nas eleições presidenciais, comecem com esse problema!”

Por outro lado, um internauta tem uma opinião diferente.

우리와 같은 민족은 맞지만 우토로 마을 사람들은
조총련계 입니다. 즉 국적이 대한민국이 아니라 북한이죠.
일본 민단조직(한국 재일교포)에서 지원을 하지 않는 것과
우리나라에서도 별다른 지원을 하지 않는 가장 큰 이유입니다.

“Eles são coreanos, mas aquele povo do vilarejo é Jochongnyeon (residentes no Japão pró-Coréia do Norte). Eles não são cidadãos da Coréia do Sul, e sim da Coréia do Norte. Por isso que organizações de residentes da Coréia no Japão e o Governo da Coréia do Sul não estão dando apoio ativamente à causa deles”.

Uma sugestão mais planejada ou gráfica é esta abaixo.

1. 우토로 대책회의에서는 현재와 같이 네티즌이 독자적으로 국민적 호응을 얻어 줄 것을 요청함.

2. 국민적 호응이 있어야 정부 설득이 용이함.

1. Organizações em prol de Utoro pedem que internautas consigam o apoio das pessoas.
2. Será mais fácil convencer o governo a ajudar após conseguir o apoio das pessoas.

Veja aqui artigos sobre Utoro, um filme de documentário e o site de uma ONG.

(Texto original por Hyejin Kim)

 

Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.