Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Uganda responde- e não responde- ao “Parem de tentar salvar a África”

“Talvez eu apenas vá aonde o clima é melhor”, diz Josh do In an African Minute (Em um Minuto Africano) [EN].

Ele refere-se ao motivo de ter escolhido trabalhar na África ao invés de na Europa Oriental, de onde vem sua família, mas também refere-se ao atual rebuliço que foi provocado pelo texto “Stop Trying to Save Africa,” (Parem de Tentar Salvar a África), [EN], publicado no Washington Post por Uzodinma Iweala [EN]. O romancista nigeriano, criado nos Estados Unidos e educado em Harvard escreveu um texto instigante, ao qual os expatriados da blogosfera ugandense sentiram a necessidade de formular uma resposta. Os ugandenses, no entanto, puseram um link para o texto, e até comentaram a seu respeito em blogues de expatriados, mas permaneceram em silêncio em seus próprios blogues.

O texto completo está online [EN], mas citarei um pedacinho dele aqui…

“Last fall, shortly after I returned from Nigeria, I was accosted by a perky blond college student whose blue eyes seemed to match the “African” beads around her wrists.

‘Save Darfur!’ she shouted from behind a table covered with pamphlets urging students to TAKE ACTION NOW! STOP GENOCIDE IN
DARFUR!

My aversion to college kids jumping onto fashionable social causes nearly caused me to walk on, but her next shout stopped me.

“Don’t you want to help us save Africa?” she yelled.

It seems that these days, wracked by guilt at the humanitarian crisis it has created in the Middle East, the West has turned to Africa for redemption. Idealistic college students, celebrities such as Bob Geldof and politicians such as Tony Blair have all made bringing light to the dark continent their mission. They fly in for internships and fact-finding missions or to pick out children to adopt in much the same way my friends and I in New York take the subway to the pound to adopt stray dogs.”

“No outono passado após ter retornado da Nigéria [EN], fui abordado por uma animada universitária, loira, cujos olhos azuis pareciam combinar com as pulseiras ‘africanas’ em seus pulsos.

‘Salve Darfur’, ela gritava detrás de uma mesa coberta de panfletos pedindo aos estudantes: TOMEM PROVIDÊNCIAS AGORA! ACABEM COM O GENOCÍDIO EM DARFUR!

Minha aversão a jovens universitários engajados em causas sociais da moda me fez ignorá-la e prosseguir, mas seu segundo grito me deteve.

‘Você não quer nos ajudar a salvar a África [EN]?’ ela gritou.

Parece que nos dias de hoje, cheio de culpa pela crise humanitária causada no Oriente Médio [EN], o Ocidente voltou-se para a África em busca de redenção. Universitários idealistas, celebridades como Bob Geldof [EN] e políticos como Tony Blair [EN] fizeram de sua missão trazer a luz ao continente negro. Eles voam para lá para seus estágios e missões em busca de fatos ou para arranjarem crianças para adotar da mesma forma que meus amigos e eu pegamos o metrô em Nova Iorque [EN] para adotar cães abandonados.”

Quando um nome como Uzo, um popular romancista, escreve algo tão ousado quanto isso, as pessoas reagem. Existem 160 links para este texto, segundo o Technorati [EN], e isso só de pessoas que blogam regularmente.

As respostas das pessoas que vivem em Uganda são imediatas e viscerais. Enquanto alguns apenas colocaram um link para o texto ou deixaram um post aqui e ali, outros escreveram longos comentários.

Aqui está um pouco do que Josh [EN] teve a dizer:

“On closer examination, however, we see that this critique holds no water.
America’s foreign policy history clearly shows that America will do nothing about a humanitarian problem unless its own citizens raise hell. Would as many college kids be involved if Africa wasn’t fashionable? Of course not, but I’m still glad they are doing it.”

“Examinando mais de perto, no entanto, nota-se que essa crítica não tem fundamento. A história da política estrangeira norte-americana mostra-nos claramente que os Estados Unidos não farão nada pela causa humanitária a menos que seus próprios cidadãos levantem a voz. Será que tantos estudantes universitários estariam envolvidos em tais causas se a África não estivesse na moda? Claro que não, mas ainda sim fico feliz por estarem fazendo algo.”

Ele continua:

“After spending a year in Uganda, this is point I continue to seriously grapple with. In many ways I felt that there were things about Uganda that I would never be able to understand. When I got back to the US, I stumbled upon (the recently departed) Richard Rorty’s Contingency, Irony and Solidarity, who pointed that in a post-modern world, the only real value we can find is choosing to value our own tradition and community, even if we see the irony in the choice itself.

Following Rorty and Uzo, I should learn Lithuanian and start working on EU-Baltic integration because this is where my family came from four generations ago. Of course, culture is never static, and I may be doing much more to honor my own culture by working on African issues than on Baltic issues. Then again, maybe I just go where the weather is better.”

“Depois de passar um ano na Uganda, isto é algo que continuo seriamente tentando compreender. De muitas formas, senti que existiam coisas sobre a Uganda que eu nunca conseguiria entender. Quando retornei aos EUA, me deparei por acaso com a Contingência, Ironia e Solidariedade do (recentemente falecido) Richard Rorty que apontou que em um mundo pós-moderno, o único real valor que se pode encontrar é escolher valorizar nossa própria tradição e comunidade, mesmo que a escolha seja em si irônica.

Segundo Rorty e Uzo, eu deveria então estudar lituano e começar a trabalhar na integração báltica da UE porque é de lá que minha família veio a quatro gerações atrás. Claro, a cultura nunca é estática, e pode ser que eu faça muito mais para honrar minha cultura trabalhando nos problemas africanos do que nos problemas bálticos. Mas também, talvez eu apenas vá aonde o clima é melhor.”

Pernille do I‘ve Left Copenhagen for Uganda (Deixei Copenhague pela Uganda) [EN] reagiu notadamente enfurecida [EN] em seu post entitulado, “Há há, eu me pareço mesmo com alguém tentando salvar a África, não?”

“But come on! – Iweala’s argumentation is threadbare and his arrogance makes him speak on behalf of all Africans. Categorising them all in one go, as well as he does with the whole group of ex-pats trying to save Africa. No doubt that a change of the Western way of saving Africa is necessary. No doubt that a lot of ex-pats, whatever reason they are in Africa for, can be a pain in the ass (I know some). But I also know a few Ugandans who would never put their feet in West Nile and Kampala youth who would never date a ‘Northener’ because of tradition and the history – and the image! The stereotypes and lack of information thrive within Uganda, Africa and among Africans. It is only the Africans who are well off who can afford rejecting support to Africa. They cannot speak for the rest.”

“Mas, oras! – O argumento de Iweala é caduco e sua arrogância o faz agir como se ele falasse em nome de todos os africanos. Categorizando todos em uma só leva, da mesma forma que faz com todo o grupo de expatriados tentando salvar a África. Não há dúvidas de que uma mudança na maneira do Ocidente salvar a África é necessária. Não há dúvidas de que muitos expatriados, sejam qual forem suas razões para estarem na África, podem ser muito chatos (conheço alguns). Mas também sei de alguns ugandenses que nunca colocariam um pé no Nilo Ocidental, e de jovens Kampala que nunca namorariam um “nórdico” por causa de sua tradição e história – e imagem! Os estereótipos e a falta de informação reinam na Uganda, África e entre africanos. Apenas os africanos bem de vida podem se dar ao luxo de rejeitar apoio à África. Eles não podem falar pelo resto.”

Glenna do Uganda Scarlett Lion [EN] (ok, revelação total, essa sou eu) também opinou:

“I wish I could say [national superiority] wasn’t affirmed through aid. But until bags of rice don’t say USAID on their side, and benefits aren’t planned just because a donation is made, it will.”

“Gostaria de poder dizer que [superioridade nacional] não é afirmada através de ajuda. Mas este será o caso, enquanto sacos de arroz continuarem dizendo USAAID (Ajuda dos Estados Unidos), e melhorias não forem planejadas apenas porque doações são feitas.”

Não surpreendentemente, (ou talvez surpreendentemente?) a comunidade dos blogues nacionais ugandenses optou por não comentar sobre este texto, embora as pessoas tenham posto um link para ele. O blogueiro 27th Comrade [EN] deixou alguns comentários severos nos blogues de algumas pessoas, mas nem todos podem ser reproduzidos por diversas razões. Aqui está um, e deixo a cabo de vocês fazer uma pesquisa sobre os outros…

“It is always refreshing to see that we are of a fair number, those of us who are tired of seeing Africa used as a way to clear the conscience.
We don’t need the West. Truth be told, we’d be better off if the West didn’t exist.
(via In an African Minute [EN])

“É sempre revigorante ver que nós estamos em número considerável, aqueles de nós cansados de ver a África ser usada como meio de limpar a consciência.
Nós não precisamos do Ocidente. Verdade seja dita, estaríamos melhores se o Ocidente não existisse. (via In an African Minute [EN])”

Aqui está outro bom comentário [EN] no mesmo blogue:

“Of course the best thing would be if all of those enthusiastic about saving the world would first seek education before spearheading any initiatives. But that just means more interns, which Iweala doesn’t sound crazy about, or else maybe it means more people who get the zeal sucked out of them through 4 years of development theory.”

“Claro que a melhor coisa seria se todos os entusiasmados em salvar o mundo buscassem primeiro instrução antes de sair organizando iniciativas. Mas isso só acarreta mais estagiários, o que Iweala parece não gostar muito, ou ainda talvez isso acarrete mais pessoas cujo entusiasmo se esgota em 4 anos de teoria de desenvolvimento.”

Será que isso é apenas uma simples rixa digital ou reflete uma rixa mais insidiosa entre estrangeiros e africanos na blogosfera? A maneira como o debate se dá na blogosfera, quem escreve o quê e onde, no entanto, é a mais nova manifestação de um problema que advém dos missionários e exploradores e que agora existe encarnado em trabalhadores, jornalistas e especialistas em desenvolvimento.

Qual a sua opinião?

(texto original de Glenna Gordon)

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

1 comentário

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.