Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Israel: Harry Potter não cumpre o Shabat?

O lançamento sincronizado mundial de Harry Potter and the Deathly Hallows [EN] (título em português Harry Potter e as Relíquias da Morte), caiu às 2:01 da manhã no horário de Israel, durante o Shabat Judaico, quando a lei israelita requer que a maior parte do comércio permaneca fechada. Mesmo assim, a maior cadeia de livrarias de Israel, Steimatzky, promoveu um evento de gala no porto de Tel-Aviv, lançando o livro na hora marcada. O Ministro da Indústria, Comércio e Trabalho, Eli Ishai, solicitou que as grandes livrarias de Israel que não começassem a venda do novo livro de Harry Potter durante o Shabat, mas que atrasassem o lançamento até o fim do período semanal de descanso. Sua intenção era de cobrar uma multa e processar lojas que violassem as leis básicas de Israel sobre a jornada de trabalho.

Steimatzky promoveu o evento como planejado, atraindo milhares de fãs ansiosos tarde da noite. As leis do trabalho de Israel proíbem emprego de trabalhadores judeus durante o Shabat. Mas, na verdade, existe um número crescente de lojas comerciais abertas e em atividade máxima durante o Shabat. Mesmo que sejam multados, é ainda mais lucrativo para esses comerciantes abrirem no suposto dia do descanso. No entanto, ao contrário do que muitos acreditam, esta lei serve não apenas a motivações religiosas, mas também apresenta motivações sociais de proteger os empregados de seus empregadores. O legislador sentiu a importância de dar a cada empregado, seja ele ligado ou não a uma ordem religiosa, o direito ao descanso em um dia da semana, para que ele pudesse aproveitar a companhia da família. Mas em um cenário competitivo e capitalista, onde a procura por formas de lazer nos fins de semana é grande, são as forças de mercado quem mandam, mesmo que tal ato acarrete alguma perda financeiras devido às multas impostas. Os lucros, de maneira geral, excedem aquele prejuízo.

Um blogueiro israelita descreve algumas das complexidades dessa lei:

 

זה לא סוד שלאורך שנים נפערות שוב ושוב מחלוקות קשות בין דתיים לחילוניים בנוגע לדרך התנהלות סדרים מסוימים במדינה, ובפרט בנושא השבת שהוא עניין בעייתי במיוחד. חוק שעות עבודה ומנוחה קובע את השבת כיום מנוחה וטומן בחובו איסור מפורש על עסקים מסחריים לפעול בשבת, אולם המציאות בישראל כיום מוכיחה שאיסור זה אינו נאכף כמעט לחלוטין.ראו מה קורה היום – ההפקרות חוגגת: יותר ויותר עסקים נפתחים בשבת, מרכזי קניות ומתחמים גדולים פועלים ללא הפרעה וכתוצאה מכך נוצרת תחרות קשה בין רשתות-ענק לבין עסקים עצמאיים קטנים הסופגים הפסדים רבים כיוון שלא יכולים להרשות לעצמם להעסיק עובדים בשבת.נשאלת השאלה: האם זה הוגן להפעיל את החוק באופן סלקטיבי כזה – האם הטלת קנסות על חנויות הספרים שיפיצו את הארי פוטר בשבת זה מה שישנה את כל זה? האם זה מה שיציל את דמותה של השבת בפרהסיה? מדוע דווקא עכשיו בוחר השר לשחק אותה סופרמן שרץ להציל את דמותה של השבת מידיהם של החוטאים והכופרים? איפה נמצאים אלי ישי ורביץ כל שבת כאשר המוני בני ישראל צובאים על מרכזי הקניות ההומים?… הגיע הזמן שתאכפו את החוק כמו שצריך, או שתמשיכו לא להתערב כפי שעשיתם עד עכשיו.

עוד תהייה שעולה אצלי היא, האם השר הנכבד היה מגיב באותה צורה אלמלא היה מדובר בספר שלכאורה קורא תגר על האמונה הדתית.

האם אין גבול לצביעות?…

“Não é segredo algum que, durante muitos anos, desentendimentos complexos surgiram entre indivíduos ligados a ordens religiosas e os que não o são, no que diz respeito à forma com que determinados assuntos são tratados nesse país, sendo o tópico do Shabat especialmente problemático. As leis israelitas determinam que o Sabbath seja um dia de descanso, sendo explicitamente proíbidas atividades comerciais operando durante aquele período. Na verdade, essa lei quase não é imposta. Olhe para o que está acontecendo hoje em dia. Mais e mais lojas comerciais abrem aos sábados, shopping centers e outras áreas comerciais operam sem interferência, e, como consequência, há uma competição acirrada entre as grandes cadeias de lojas e os pequenos negócios independentes, que sofrem com perdas financeiras por não poderem manter funcionários trabalhando aos sábados (e arcar com as multas).

Eu pergunto o quão apropriado é que essa lei opere dessa forma seletiva – resolve alguma coisa multar livrarias que vendam Harry Potter aos sábados? Será que isso vai de fato salvar a imagem pública do Shabat? Por que que o ministro escolheu esse momento específico para salvar a imagem do Shabat dos pecadores, agindo como se fosse um super-herói? Onde estão Eli Ishai e Ravitz a cada sábado, quando uma multidão de israelitas se encontram nos shoppings? Está na hora que vocês imponham a lei de maneira correta, ou continuem a não interferir.

Eu ainda fico pensando se o ministro reagiria da mesma maneira se livro vendido não criticasse publicamente a crença religiosa. Existe algum limite para a hipocrisia?

A seguir, uma imagem de um dos cartazes colocados no local do evento, que atraiu milhares de fãs loucos para comprar o livro nas primeiras horas do sábado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(texto original de Gilad Lotan)

 

 

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.