Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Suspiros Afegãos: Educação, música, maravilhas da natureza e liberdade.

Sun Leaf (Folha do Sol, em tradução literal) fala sobre a dolorosa situação do sistema educacional afegão. O blogueiro diz:

“Compared to other countries in Asia, the Afghan education situation is startling. The statistics below show that tremendous challenges remain. One of the poorest measures includes funding or implementing short-term education projects, which are abrubtly brought to an end leaving thousands of hopeful children back in the circle of illiteracy, neglect and darkness.”

“Comparada com os outros países da Asia, a situação da educação afegã é impressionante. As estatísticas abaixo mostram os tremendos desafios que ela ainda enfrenta. Uma das piores medidas inclui o financiamento ou implementação de projetos educacionais de curto prazo, que são interrompidos repentinamente e mandam milhares de esperançosas crianças de volta ao ciclo de analfabetismo, negligência e escuridão.”

Para provar seus argumentos, o blogueiro menciona várias estatísticas: mais de 5.4 milhões de crianças estão matriculadas em escolas atualmente, e quase 35% delas são do sexo feminino, em comparação com os pouco mais de um milhão de crianças matriculadas a 5 anos atrás, das quais pouquíssimas eram meninas. Ainda assim, estima-se que metade das nossas crianças em idade escolar estão fora das escolas, e que ainda há significantes disparidades regionais e de gênero.


O Cat Stevens Afegão

Sun Leaf
também bloga sobre um popular cantor afegão que é, segundo o blogueiro, o Cat Stevens (Yusuf Islam) do Afeganistão. O blogueiro escreve sobre o cantor: “Saiba você as letras das canções ou não, a melodia em si já é capaz de levá-lo para as terras distantes.”

(link para o vídeo do Cat Stevens afegão)


Natureza maravilhosa, estrada perigosa

Onne Parl escreve sobre sua jornada ao coração da maravilhosa natureza em Bamyian, mas nos lembra também de seus perigos:

“When speaking to Afghans about sightseeing, they ask at first: “Have you been to Band-e Amir?” These well-known lakes in the middle of the Koha-e-Baba Mountains are one of the few tourist places in Afghanistan. Thousands of locals bundle up the whole family and make a long journey up to the lakes. It takes one and half days from Kabul to reach this place. Furthermore there are a lot of mines left in this area. Three years ago one minibus got blasted next to the main road. Thirteen men were killed on the spot.”

“Quando falamos aos afegãos sobre turismo, a primeira coisa que perguntam é: “Você esteve em Band-e Amir?”. Estes bem conhecidos lagos em meio às Montanhas de Koha-e-Baba são um dos poucos pontos turísticos do Afeganistão. Milhares de locais reunem toda a família e fazem a longa jornada até os lagos. Leva-se um dia e meio para chegar até o local, saindo de Kabul. Além disso, há uma grande quantidade de minas terrestres ainda ativas na área. A três anos atrás um microônibus explodiu por conta de uma delas, perto da estrada principal. Treze homens morreram na hora naquele momento.”

Louvando a liberdade de se expressar

Free Keyboard (Teclado Livre), um blogueiro iraniano, fala sobre[FA] sua viagem ao Afeganistão. Ele compara a liberdade de expressão Iraniana à existente no Afeganistão: “Ao contrário de nossa terra Islâmica (Irã), no Afeganistão Islamico não há tanta restrição aos jornais, revistas, internet e livros. Você tem sua liberdade para publicar o que você tiver. Você tem liberdade para ter o seu site e escrever o que bem quiser nele. É como um país desenvolvido.” Ele completa que, porém, extremistas ainda ameaçam sua vida.

O blogueiro ainda diz: “Quando estive no Afeganistão, um amigo meu lançou o Kabul Press[FA?] e hoje ele tem 4000 visitantes. Ele diz que a internet é livre mas poucos tem acesso a ela.”

(Texto original em inglês por Hamid Tehrani)

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.